Irã dispara mísseis contra Israel e aumenta tensão de guerra

Os projéteis causaram danos mínimos e não houve vítimas israelenses, mas deixou as forças israelenses em alerta e as levou a responder ao ataque.

fonte: Guiame, com informações da CBN News

Atualizado: Quinta-feira, 10 Maio de 2018 as 9:07

Lançamento de míssil iraniano. (Foto: AP)
Lançamento de míssil iraniano. (Foto: AP)

Forças iranianas na Síria dispararam vários foguetes contra as colinas de Golan, na quinta-feira, fazendo com que alguns temam que os dois países estejam à beira da guerra.

O Exército de Israel diz que interceptou "alguns" dos foguetes. Os projéteis causaram danos mínimos e não houve vítimas israelenses.

O tenente-coronel Jonathan Conricus diz que Israel vê o incidente "com severidade". Israel lançou vários disparos de foguetes contra a Síria em resposta, segundo a mídia estatal síria. A escala de disparos de foguetes israelenses foi supostamente maior do que em incidentes anteriores.

O conflito ocorre depois que o presidente Donald Trump anunciou na terça-feira que os EUA vão se retirar do controverso acordo nuclear iraniano.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, que acusou o Irã de mentir sobre seu programa de armas nucleares na semana passada, elogiou a "decisão corajosa" de Trump.

"O acordo teria permitido ao Irã enriquecer urânio suficiente para todo um arsenal de bombas nucleares", disse ele após o anúncio de Trump.

No entanto, os legisladores iranianos responderam à decisão com raiva e entoaram "Morte à América" ​​enquanto queimavam a bandeira americana em seu parlamento.

Muitos estão preocupados que Israel esteja caminhando para uma guerra direta com o regime islâmico. O chefe do gabinete da CBN News no Oriente Médio, Chris Mitchell, diz que uma guerra já está acontecendo.

"Eles basicamente estão em guerra. É uma guerra de baixo grau neste momento e Israel supostamente atingiu alvos iranianos dentro da Síria várias vezes nas últimas semanas. Há rumores de guerra quase diária aqui nos jornais israelenses", disse Mitchell.

Israel atingiu suspeitos alvos iranianos na Síria poucas horas depois de Trump anunciar a retirada dos Estados Unidos do acordo nuclear.

Os mísseis visavam depósitos e lançadores de foguetes que provavelmente pertenciam à Guarda Revolucionária de elite iraniana em Kisweh, matando pelo menos 15 pessoas, oito delas iranianas.

Mitchell diz que o Irã vem tentando preencher o vácuo de poder dentro da Síria e estabelecer bases militares lá. No entanto, o regime enfrenta um "Estado de Israel determinado" que está fazendo de tudo para garantir que o Irã não tenha uma fortaleza militar no país vizinho.

"Eles não querem bases militares iranianas em sua fronteira norte, por isso você ouve relatos de aviões israelenses atingindo a superfície para lançar mísseis iranianos dentro da Síria", ele compartilhou.

Enquanto isso, Israel fez alguns amigos "improváveis" ​​como a Arábia Saudita, o Egito e os Estados do Golfo.

"Existe uma relação secreta entre o Estado judeu e essas nações sunitas. Então, eles se vêem como uma frente unida contra um Irã que realmente quer dominar o Oriente Médio", explica Mitchell.

Se haverá ou não uma guerra direta entre o Irã e Israel, isso continua a ser analisado. Mas Chris Mitchell diz que uma coisa é certa: os Estados Unidos enviaram uma mensagem forte para todos na região de que está com Israel.

veja também