Israel adia entrada de turistas para agosto, devido ao aumento de casos de Covid-19

O salto nos casos diários de coronavírus é atribuído pelas autoridades de saúde à variante Delta.

fonte: Guiame, com informações do Times of Israel

Atualizado: Quinta-feira, 24 Junho de 2021 as 9:08

O primeiro-ministro de Israel, Naftali Bennett, fala a jornalistas no aeroporto Ben Gurion. (Foto: AP Photo/Maya Alleruzzo)
O primeiro-ministro de Israel, Naftali Bennett, fala a jornalistas no aeroporto Ben Gurion. (Foto: AP Photo/Maya Alleruzzo)

O governo de Israel decidiu na quarta-feira (23) adiar a reabertura das fronteiras para turistas vacinados, que aconteceria na próxima semana, em meio a preocupações com o contágio de Covid-19 vindo do exterior.

Israel tem visto um salto nos casos diários de coronavírus, atribuídos pelas autoridades de saúde à variante Delta, que é mais contagiosa e teria sido levada do exterior por viajantes infectados.

O governo decidiu adiar a entrada de turistas vacinados até agosto, segundo um comunicado do gabinete do primeiro-ministro de Israel, Naftali Bennett.

Além disso, todos os israelenses terão que assinar uma declaração antes de viajar para o exterior, prometendo que não entrarão em países designados pelo Ministério da Saúde de Israel como de "alto risco”.

Os ministros israelenses também concordaram que o mandato do uso da máscara em ambientes fechados — que foi retirado na semana passada — será restabelecido se Israel voltar a uma média de 100 casos de Covid-19 por dia durante uma semana.

O governo israelense ainda aprovou a formação de um novo gabinete de combate ao coronavírus, que incluirá Bennett e a maioria de seus ministros.

Atualmente, a média semanal é de 94 novos casos por dia, de acordo com os últimos dados do Ministério da Saúde. Nos últimos dois dias, houve mais de 100 novas infecções registradas, principalmente relacionadas a escolas e viagens ao exterior, com o número de casos ativos subindo para 554.

“Nosso objetivo no momento é, antes de mais nada, proteger os cidadãos israelenses da variante Delta que está ocorrendo em todo o mundo. Ao mesmo tempo, queremos minimizar ao máximo os danos à vida cotidiana do país. Portanto, decidimos agir o mais cedo possível para não pagar um preço alto mais tarde”, disse Bennett em reunião com altos funcionários do governo e consultores científicos.

Fiscalização

O ministro da Saúde de Israel, Nitzan Horowitz, disse que há planos para aumentar a fiscalização para aqueles que devem entrar em quarentena, após a chegada de viagens internacionais.

Na terça-feira (22), Bennett havia pedido aos israelenses que evitassem viagens internacionais não essenciais. Ele também anunciou que as máscaras voltariam a ser obrigatórias dentro dos aeroportos.

Desde o início do surto em 2020, mais de 840 mil pessoas foram diagnosticadas com Covid-19 em Israel e houve 6.428 mortes.

veja também