Israel anuncia apoio aos cristãos perseguidos no Irã

Benjamin Netanyahu reafirmou o compromisso de Israel de continuar defendendo os cristãos perseguidos no Irã.

fonte: Guiame, com informações do Times of Israel

Atualizado: Terça-feira, 24 Julho de 2018 as 12:09

Benjamin Netanyahu em discurso televisionado na conferência Cristãos Unidos por Israel, em Washington. (Foto: Twitter)
Benjamin Netanyahu em discurso televisionado na conferência Cristãos Unidos por Israel, em Washington. (Foto: Twitter)

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, anunciou nesta segunda-feira (23) que a nação continuará defendendo os cristãos que estão sendo perseguidos pelo Irã, em uma conferência realizada em Washington, nos Estados Unidos, pela organização Cristãos Unidos por Israel.

“Infelizmente, alguns países não respeitam os cristãos. No Irã, os cristãos são brutalmente perseguidos e os pastores passam anos na prisão”, disse Netanyahu em um discurso via satélite. “Me deixe dizer claramente: Israel está em completa solidariedade com os cristãos perseguidos no Irã”.

Netanyahu questionou por qual motivo tantos ficam em silêncio enquanto os cristãos são presos e torturados no Irã. “Nós em Israel não ficaremos em silêncio, e eu vou continuar apurando a situação do sofrimento do povo iraniano: cristãos, bahá'ís, estudantes, jornalistas”, acrescentou.

O primeiro-ministro observou que Israel é o único país do Oriente Médio onde os cristãos “não apenas sobrevivem, mas prosperam”. “Locais sagrados para os cristãos são protegidos e a adoração cristã é feita sem medo. Os cristãos alcançaram níveis incríveis em Israel”.

A Cristãos Unidos por Israel, fundada e liderada pelo pastor John Hagee, tem milhões de membros e se autodenomina a “maior organização pró-Israel dos Estados Unidos”. O evento que se encerra nesta terça (24) é sua maior cúpula de todos os tempos.

A influência da organização foi um fator importante na decisão do presidente dos EUA, Donald Trump, de reconhecer Jerusalém como capital de Israel e transferir a embaixada norte-americana para lá.

Os cristãos conhecem uma “verdade fundamental”, de acordo com Netanyahu: “Jerusalém tem sido a capital do povo judeu por 3 mil anos. Jerusalém é a capital de Israel há 70 anos. E Jerusalém será sempre a nossa capital”.

Origem na Bíblia

Dentre os palestrantes da conferência também estava a embaixadora dos EUA na Organização das Nações Unidas (ONU), Nikki Haley, que declarou que sua fé cristã tem impulsionado seu forte apoio a Israel.

“Eu não sou judia, mesmo que isso surpreenda algumas pessoas. Eu também não fui criada como cristã. Vinte anos atrás, minha jornada de fé me trouxe ao cristianismo, onde encontrei força em minha fé e confiança em meu coração", Haley explicou.

“Mas eu também sou uma pessoa que é humilde em sua fé. Eu não reivindico ter a sabedoria do que Deus tem reservado para mim ou para outras pessoas", continuou a embaixadora. “O que eu sei é que Deus abençoou a América com grandeza e bondade e sei que no mundo perigoso em que vivemos, é absolutamente arriscado que os EUA tenham as costas dos nossos amigos. Estamos com Israel”, destacou.

veja também