MENU

Israel

Menorá é removida da tumba do profeta Samuel após reclamação de muçulmanos

Israel cedeu à pressão feita pelo consórcio religioso islâmico Waqf.

Fonte: Guiame, com informações do Israel365Atualizado: sexta-feira, 26 de novembro de 2021 14:05
Tumba do profeta Samuel, em Jerusalém. (Footo: Reprodução / Creative Commons)
Tumba do profeta Samuel, em Jerusalém. (Footo: Reprodução / Creative Commons)

Após reclamações do Waqf, um consórcio religioso muçulmano, a Administração Civil ordenou que a Autoridade da Natureza e dos Parques desmontasse a menorá de Chanuka que foi erguida na quarta-feira no telhado da Tumba do Profeta Samuel.

A menorá no local tem sido uma tradição de feriado por muitos anos, no entanto, ela foi removida menos de 24 horas após ter sido erguida esta semana em preparação para o Hanukkah na noite doo próximo domingo.

Acredita-se que o local, a menos de seis quilômetros ao norte de Jerusalém, seja o local do sepultamento do profeta bíblico Samuel.

Evidências de assentamento judaico do período do Primeiro Templo também foram descobertas por arqueólogos na década de 1990. A estrutura é uma antiga igreja dos cruzados que foi reconstruída no século XVIII em mesquita, com o próprio túmulo em uma câmara subterrânea que serve como uma pequena sinagoga. As orações judias e muçulmanas são realizadas no túmulo. Muitos judeus religiosos visitam a tumba no dia 28 de Iyar, o aniversário da morte de Samuel, o Profeta.

O Coordenador de Operações Governamentais nos Territórios Ocupados (COGAT) respondeu que “a Administração Civil o considera de grande importância e investe a maior parte dos seus esforços para permitir a liberdade de culto e religião para todas as religiões na área da Judeia e Samaria. Na noite passada, uma menorá foi erguida pelos inspetores da Autoridade de Natureza e Parques no telhado do local da tumba de Shmuel Hanavi. Depois que o assunto foi esclarecido, a menorá foi movida para a praça do local, como era o costume todos os anos no Hanukkah.”

‘Violação de santidade’

A WAFA News, agência oficial de notícias da Autoridade Palestina, citou o subsecretário do Ministério do Awqaf e Assuntos Religiosos, Hussam Abu al-Rub, que condenou a "ação do colono como uma violação da santidade do local" e ele rejeitou "qualquer interferência israelense nos assuntos dos locais sagrados islâmicos em toda a Palestina”.

“Israel usa o nome nacionalista judeu 'Judeia e Samaria' para se referir à Cisjordânia ocupada para reforçar suas reivindicações falsas sobre o território e dar-lhes um verniz de legitimidade histórica e religiosa”, acrescentou o WAFA.

Samuel desempenhou um papel proeminente na Bíblia Hebraica, ungindo o Rei Saul e o Rei Davi. Embora não seja mencionado pelo nome no Alcorão, um personagem conhecido como “o profeta” é descrito como um profeta do Islã que ungiu um rei hebreu chamado Talut, que foi rejeitado pela nação.

Os judeus começaram os esforços para fundar uma vila no local em 1890, originalmente chamada de Ramah em homenagem à casa bíblica de Samuel, e então referida pelo nome do grupo que comprou as terras, Nahalat Yisrael. Em 1895, 13 famílias judias iemenitas se juntaram ao grupo e tiveram sucesso na empreitada. A vila teve que ser abandonada durante os distúrbios árabes de 1929.

A tumba, que fica na Área C, está localizada no lado israelense da barreira da Cisjordânia com o vizinho Giv'at Ze'ev. Nebi Samuel e as escavações arqueológicas ao redor agora fazem parte de um parque nacional.

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições