ONU é acusada de fraude por ajudar a refugiar palestinos como ‘vítimas de Israel’

A organização cristã 'ACLJ' está exigindo uma um órgão de apoio ligado ao governo Obama e a ONU sejam julgadas por fraude em documentos de palestinos.

fonte: Guiame, com informações da ACLJ

Atualizado: Sexta-feira, 27 Abril de 2018 as 11:40

Palestino queima bandeira de Israel em protesto. (Foto: Sputnik International)
Palestino queima bandeira de Israel em protesto. (Foto: Sputnik International)

A ACLJ está mais uma vez entrando com uma ação contra o estado antiisraelense, desta vez devido a alegações de que está enterrando uma fraude da agência da ONU e se unindo à ONU para contornar o direito internacional.

Na última segunda-feira (23), a ACLJ apresentou seu último processo, citado como FOIA, referente ao pedido ao Departamento de Estado de registros sobre a Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados Palestinos no Oriente Próximo (UNRWA), incluindo um relatório dos EUA sobre a UNRWA que, de acordo com a recente atenção da mídia , indica conscientização por funcionários do Departamento de Estado uma fraude da UNRWA.

“Iniciamos o pedido do FOIA em 5 de fevereiro de 2018, após notícias de que o Departamento de Estado de Obama criou um relatório sobre a ajuda da UNRWA a ‘refugiados’ palestinos, mas desnecessariamente (e portanto indevidamente) deu a ele uma designação ‘Classificada’ para impedir que a informação chegasse ao Congresso e ao público”, explicou a Conselheira de Litígios da ACLJ, Carly Gamill.

Segundo a cobertura da imprensa, o relatório da UNRWA foi encomendado em 2015 pelo ex-senador Mark Kirk (Illinois), que buscava informações sobre o número de "refugiados" palestinos atendidos pela UNRWA que realmente viviam no território hoje conhecido como Israel entre 1946 e 1948. Ao invés de fornecer ao Congresso o relatório completo, parece que o Departamento de Estado classificou o relatório e o reteve de fora de foco, indo tão longe, a ponto de ignorar uma diretiva do Congresso de 2017, que exigia que o Departamento produzisse uma versão não confidencial do relatório. O relatório confirma que o número de "refugiados" palestinos é de apenas dezenas de milhares, ao invés dos milhões que afirma a UNRWA.

Enquanto a ACLJ se opõe categoricamente ao fato do governo rotular ou tratar os palestinos como "refugiados" de qualquer tipo, o Departamento de Estado decidiu jogar o jogo da UNRWA de rotular indevidamente os palestinos como "refugiados" de uma guerra que Israel não iniciou.

Segundo a organização cristã, o governo Obama também comprou a narrativa esquerdista, da Palestina e da ONU, que afirma que Israel é uma “nação agressora” ao invés de tentar proteger sua soberania e cidadãos - e isso porque os palestinos não têm nação própria (uma escolha feita, ironicamente, pela liderança palestina ao rejeitar múltiplos cenários de dois estados oferecidos por Israel). Por isso continuam "refugiados" - um termo legal específico com repercussões jurídicas internacionais que são usadas de maneira inadequada nessa situação.

“Rotular os palestinos como "refugiados" é legal, factual e historicamente incorreto, e isso deve terminar”, destacou Gamill.

Em seu próprio esforço separado para induzir grandes mudanças pela UNRWA, a atual administração do governo Trump cortou milhões de dólares de seu financiamento à UNRWA. Ao mesmo tempo em que essa decisão e a Declaração de Jerusalém do presidente Trump criaram distanciamento da Autoridade Palestina, os relatórios da mídia afirmam que o governo anterior, mais notavelmente o ex-secretário de Estado John Kerry, manteve um relacionamento contínuo com a liderança da AP. Assim, além do próprio relatório da UNRWA e seus registros, a ACLJ solicitou ao Departamento de Estado registros adicionais sobre a UNRWA, "refugiados" palestinos, a recente decisão dos Estados Unidos de cortar o financiamento da UNRWA e as negociações de John Kerry com a UNRWA. Autoridade Palestiniana e seus representantes.

 

 

veja também