Primeiro-ministro de Israel pede o fim de acordo nuclear entre potências mundiais e Irã

O prazo que Donald Trump deu para se retirar do acordo assinado ainda no governo Obama se encerra no dia 15 de maio.

fonte: Guiame, com informações da CBN News

Atualizado: Segunda-feira, 7 Maio de 2018 as 9:36

Benjamin Netanyahu é primeiro-ministro de Israel. (Foto: AP)
Benjamin Netanyahu é primeiro-ministro de Israel. (Foto: AP)

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, reforçou neste domingo seus pedidos para encerrar o acordo nuclear entre grandes potências mundiais e o Irã, enquanto o presidente Donald Trump avalia a possibilidade de retirar os Estados Unidos do acordo feito entre a nação islâmica grandes potências mundiais, como China, Alemanha, França Reino, Unido e Rússia em 2015.

Netanyahu disse que "um acordo que permita ao Irã manter e esconder todo o seu know-how em armas nucleares é um negócio horrível".

O acordo "tem que ser totalmente ajustado ou então totalmente anulado", disse ele. "Mas, se nada for feito nesse negócio, se continuar como está, o Irã terá um arsenal nuclear em pouco tempo", disse ele.

Trump enfrenta um prazo que vai até 12 de maio para manter o acordo nuclear de 2015, que ele critica há muito tempo. O presidente dos EUA sinalizou que vai desistir do acordo até esta data, a menos que seja revisto, mas enfrenta intensa pressão dos aliados europeus para não fazê-lo. Netanyahu encontrou um parceiro bem-vindo em Trump, que chamou o acordo de "o pior negócio de todos os tempos".

Netanyahu é um franco oponente do acordo, que exige que o Irã limite seu enriquecimento nuclear em troca do levantamento das sanções internacionais. Netanyahu diz que o acordo não impedirá que o Irã, inimigo amargo de Israel, monte seu arsenal de armas nucleares.

Na semana passada, Netanyahu disse que uma "meia tonelada" de documentos nucleares iranianos apreendidos pela inteligência israelense revelaram que o Irã mentiu sobre seus esforços anteriores para produzir armas nucleares. Ele não forneceu nenhuma evidência de que o Irã tenha violado o acordo nuclear de 2015, mas disse que os documentos provam que Teerã não é confiável.

O Irã rejeitou a declaração de Netanyahu como um "show ridículo", mas não comentou sobre os documentos exibidos por ele. O Irã negou a busca de armas nucleares.

Netanyahu disse no domingo que Israel está transmitindo as descobertas "aos principais serviços de inteligência" e outros.

"Se você não violar um acordo perigoso, isso não o torna menos perigoso", disse Netanyahu.

Os países europeus, que têm pressionado Trump para manter o acordo, disseram que a declaração de Netanyahu “apenas reforçou” a importância do acordo, que prevê inspeções.

Mais cedo, Netanyahu acusou o Irã de fornecer armas avançadas para a Síria que representam um perigo para Israel, dizendo que terá de enfrentar a capital iraniana Teerã mais cedo ou mais tarde.

Israel alertou repetidamente que não tolerará uma presença militar iraniana duradoura na vizinha Síria, e acredita-se que isso esteja por trás de ataques aéreos recentes contra bases militares sírias que mataram soldados iranianos, levando Teerã a prometer uma retaliação. que Israel não confirmou nem negou envolvimento.

Netanyahu disse ao gabinete israelense que o Irã entregou armas avançadas à Síria "para atacar Israel, tanto no campo de batalha quanto na frente doméstica".

“Estamos determinados a bloquear a agressão do Irã contra nós, mesmo que isso signifique uma luta. Melhor agora do que depois ”, disse ele. "Não queremos escalonamento, mas estamos preparados para qualquer cenário."

Israel há muito tempo vê o Irã como sua maior ameaça por causa das atividades nucleares de Teerã, seu apoio a grupos armados em toda a região e os frequentes apelos de seus líderes pela destruição do Estado judeu. Nos últimos anos, o Irã forneceu apoio militar crucial ao presidente sírio, Bashar Assad.

 

veja também