MENU

Israel

“Sempre podemos reconstruir melhor”, diz Biden sobre Templo em Jerusalém

O presidente americano comparou o templo sagrado ao "templo da nossa democracia".

Fonte: Guiame, com informações do Israel365Atualizado: sexta-feira, 3 de dezembro de 2021 14:13
Joe Biden, em Conferência Legislativa da 2020 Iowa State Education Association (ISEA) [à esq.]; Monte do Templo. (Foto: Montagem com imagens de Gage Skidmore / Marcos Paulo Corrêa)
Joe Biden, em Conferência Legislativa da 2020 Iowa State Education Association (ISEA) [à esq.]; Monte do Templo. (Foto: Montagem com imagens de Gage Skidmore / Marcos Paulo Corrêa)

O presidente dos EUA, Joe Biden, foi o anfitrião da cerimônia anual de iluminação da menorá da Casa Branca na quarta noite de Channukah.

Durante seu discurso, Biden fez referência à história de Channukah e à destruição do Segundo Templo. O presidente americano comparou o templo sagrado ao "templo da nossa democracia". A comparação pareceu irônica a muitos, já que democracia é um conceito grego, as próprias pessoas (e ideias) contra as quais os macabeus lutaram.

Mais tarde, o presidente dos Estados Unidos parecia otimista com a reconstrução do Terceiro Templo, dizendo: “Seja no templo de Jerusalém ou em um templo de nossa democracia, nada quebrado ou profanado está além do conserto ... nada. Sempre podemos reconstruir melhor. Ou talvez, reconstrua com mais brilho.”

O discurso teve gafes de assinatura do presidente, incluindo dizer a Doug, marido da vice-presidente Kamala Harris, que ele estava "liderando a senhora da menorá".

Biden também deu as boas-vindas ao novo embaixador de Israel nos Estados Unidos, Michael Herzog. Após a introdução, ele lembrou seu encontro com a ex-primeira-ministra israelense Golda Meir dizendo que ela seria o elo entre Israel e os egípcios após a guerra do Yom Kippur em 73 e um encontro com Meir que ele descreveu como “tão deprimente.”

História de Chanukkah

Sobre as lições do feriado de Channukah, Biden disse que “a história de Chanukkah oferece uma lição poderosa e alimenta a fonte da esperança. Na escuridão há luz. No cinismo, há esperança e otimismo e uma crença inabalável de que milagres são possíveis.”

A menorá que estava sendo acesa foi projetada pelo falecido Manfred Anson, um imigrante que escapou da Alemanha nazista.

Biden também fez uma menção honorária a um convidado chamado Rabino Aharon Glatt por “encorajar sua congregação a ser vacinada”.

Ironicamente, Biden, que defende os mandatos de máscara e vacina, saudou as lições de liberdade que poderiam ser aprendidas com os macabeus.

“Você sabe que quando acendemos esta menorá na Casa Branca, quando famílias judias colocam menorá em suas janelas, estamos proclamando a liberdade. Estamos exercitando a liberdade que os macabeus buscaram para simplesmente praticar sua fé e mostrar que ainda há luz”, discursou.

“Que até a chama mais frágil pode se sustentar em uma tradição e nutrir a alma de um povo. Um pouco de luz, um pouco de luz onde quer que seja encontrada, pode dissipar a escuridão e iluminar um caminho adiante”, disse.

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições