Adolescente cristã forçada a casamento islâmico é resgatada pela polícia, no Paquistão

A garota terá de aguardar o julgamento do caso em um abrigo, até que o juiz a permita voltar para sua família de origem.

fonte: Guiame, com informações do Morning Star News

Atualizado: Quarta-feira, 4 Novembro de 2020 as 9:57

Pessoas saem às ruas para protestar contra o casamento forçado da adolescente Arzoo Raja com um muçulmano de 45 anos que a sequestrou, no Paquistão. (Foto: Shutterstock)
Pessoas saem às ruas para protestar contra o casamento forçado da adolescente Arzoo Raja com um muçulmano de 45 anos que a sequestrou, no Paquistão. (Foto: Shutterstock)

A polícia de Karachi, Paquistão, resgatou na segunda-feira (2) uma menina cristã de 13 anos e prendeu o muçulmano acusado de sequestrá-la, forçá-la a se converter ao islamismo e a se casar com ele, segundo informaram fontes locais.

Entre as autoridades que confirmaram a notícia, está o Conselheiro do Ministro-Chefe e Porta-voz do Governo de Sindh, Murtaza Wahab Siddiqui.

“Hoje, a Suprema Corte de Sindh, no requerimento apresentado por #SindhGovt, ordenou que a polícia localizasse #Aarzoo em 5 dias e a transferisse para um abrigo”, postou o Conselheiro no Twitter.

Horas depois, ele celebrou a notícia do resgate, também em sua conta do Twitter.

“Fico feliz em informar a todos que Aarzoo foi recuperada agora”, publicou.

A ação ocorreu horas depois que a Suprema Corte de Sindh, sob pressão de uma onda crescente de protestos sobre a validação anterior do casamento, ordenou que a menina católica Arzoo Raja fosse mantida em um abrigo até que ela comparecesse a uma audiência na próxima Quinta-feira (5 de novembro).

“O tribunal observou que as questões a serem tratadas são a idade da menina, se ela foi convertida à força e se seu casamento é legal”, disse o advogado e ativista de direitos humanos Jibran Nasir.

Os juízes K.K. Agha e Amjad Ali Sahito pediram exames médicos para determinar a idade de Arzoo, embora seus pais tenham fornecido documentos legais do Banco de Dados Nacional e Autoridade de Registro (NADRA), mostrando que ela nasceu em 31 de julho de 2007 e tem 13 anos.

Nasir disse que o tribunal ordenou que a polícia recuperasse Arzoo de Syed Ali Azhar, de 44 anos, de acordo com os autos do tribunal. Depois que o pai de Arzoo, Raja Masih, relatou o desaparecimento de sua filha em 13 de outubro, a polícia o informou que Azhar havia mostrado a eles um Nikkahnama (certidão de casamento islâmica) e um Sanad-e-Islam (certificado de conversão), além de uma declaração de que a menina havia ‘consentido’ por sua própria vontade a se converter ao islamismo e se casar com o homem que a sequestrou.

Azhar compareceu perante um juiz hoje e foi condenado a prisão preventiva até sexta-feira (6 de novembro), embora deva estar presente no Tribunal Superior de Sindh na quinta-feira (5 de novembro) para a audiência de Arzoo.

O caso

Azhar sequestrou Arzoo na localidade de Muhalla Railway Colony, West Camp Road, em Karachi, em 13 de outubro, de acordo com a família. Em tais casos no Paquistão, as meninas menores de idade sofrem intensa pressão, incluindo ameaças a elas e suas respectivas famílias, para dar declarações falsas.

Embora o tribunal superior em sua validação do casamento em 27 de outubro tenha instruído a polícia a não "assediar o casal recém-casado", em sua decisão na segunda-feira os juízes "criticaram a polícia por não seguir sua ordem em relação à proteção da menor, dizendo também que não impediram a polícia de investigar o caso”, disse Nasir.

Ele elogiou o tribunal por admitir o pedido dos pais da moça para a recuperação de sua filha, mas questionou a conduta dos advogados, que facilitaram a preparação de documentos que mostravam a idade de Arzoo 18.

“Para salvar nossas crianças”, disse Nasir, “o governo, o judiciário, os advogados, a sociedade civil e a mídia deveriam estar todos na mesma página. Todos nós precisamos desempenhar nossas respectivas funções de forma eficaz”.

Mais tarde, ele twittou: “Fico feliz que tanto o governo Sindh quanto o governo federal queiram perseguir #JusticeForArzoo. Há muito a aprender com as injustiças cometidas neste caso, primeiro pelos acusados ​​e depois por nosso sistema de governança. Com ambos os governos a bordo, espero que este caso se torne o terreno para um foco renovado nos direitos da criança”.

O caso gerou protestos de grupos de direitos humanos, obrigando o governo de Sindh a tomar conhecimento do casamento ilegal e mover o tribunal.

A relação sexual com uma garota com menos de 16 anos é uma violação legal e acarreta uma pena de morte ou uma pena mínima de 10 anos de prisão no Paquistão.

Possíveis resultados

Mary James Gill, uma cristã que foi legisladora e fundadora do Center for Law and Justice, disse ao Morning Star News que embora Arzoo seja menor de idade, sua declaração sobre a conversão forçada e o casamento será um elemento-chave para declarar sua conversão e casamento ilegal.

“Se Arzoo declarar que se converteu ao Islã com seu livre arbítrio, a conversão permanecerá válida, pois não temos nenhuma lei para invalidar a conversão a outra religião, mesmo para os menores”, disse Gill. “O mesmo acontece com a alegação de casamento forçado. Se ela admitir que se casou com sua escolha, ela será enviada para o Darul Aman [casa-abrigo] até atingir a idade de casar, ou seja, 18 anos”.

O casamento só pode ser dissolvido por meio de divórcio / separação ou cancelamento da certidão de casamento se ela declarar que foi coagida a assinar o documento, disse Gill.

Mas o advogado da Suprema Corte, Saiful Malook, que ganhou o caso pela absolvição da mãe cristã acusada no caso de blasfêmia de alto perfil do Paquistão, Aasiya Noreen (Asia Bibi), disse que mesmo se Arzoo desse uma declaração em favor do acusado, teria qualquer valor legal.

“O casamento vem sob a Lei do Contrato, e nenhum menor pode se tornar parte em qualquer contrato desse tipo”, disse Malook. “A Lei de Restrição do Casamento Infantil também proíbe o casamento de meninas que tenham menos de 18 anos. Além disso, a Lei dos Guardiões e da Ala diz que o casamento de um menor é uma ofensa penal e um crime contra a sociedade”.

O Paquistão ficou em quinto lugar na lista para 2020 da organização de apoio cristão Portas Abertas (EUA) sobre os 50 países onde é mais difícil ser cristão e, em 28 de novembro de 2018, os Estados Unidos adicionaram o Paquistão à sua lista de países que violam a liberdade religiosa.

veja também