ADRA ganha projeto de 50 milhões de dólares

ADRA ganha projeto de 50 milhões de dólares

Atualizado: Segunda-feira, 28 Novembro de 2011 as 2:17

A Agência de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais (ADRA) ganhou um projeto de cerca de 52 milhões de dólares para um período de cinco anos, começando em julho de 2011, para reduzir a insegurança alimentar na região Sul de Kivu, na República Democrática do Congo (RDC). O projeto beneficiará mais de 250 mil pessoas nas áreas de agricultura, saúde e assuntos relacionados com gênero (violência sexual e discriminação contra a mulher).

Segundo relatórios da agência, A ADRA já tem reduzido a insegurança alimentar na região sul de Kivu através de um projeto prévio chamado JENGA; uma palavra do dialeto Kiswahili que significa “construir”. Por causa do sucesso do JENGA, a agência continua a expandir sua intervenção através de um novo programa apropriadamente chamado de JENGA II.

"A República Democrática do Congo é uma das piores áreas atendidas no mundo em termos de pobreza e má nutrição, e a ADRA está feliz em poder trabalhar em uma das áreas mais necessitadas do país", afirma o Gerente de Programa, Milton McHenry. “Qualidade de vida não teria sido possível se a ADRA não tivesse preparado o caminho, e através do JENGA II nós estamos tornando isto possível.

Terra para a agricultura é abundante no Congo, com aproximadamente 93% das famílias tendo acesso à terra para o cultivo. Entretanto, de acordo com o relatório estatístico do Banco Mundial, a estimativa é que apenas 10% das terras disponíveis são utilizadas para a agricultura.

Através do JENGA II, a ADRA terá como alvo agricultores familiares, ajudando-os a aumentar e diversificar a produção agrícola, além de apoiá-los no melhoramento da comercialização de suas colheitas, e melhorar de forma geral a capacidade de resistência das comunidades aos choques de insegurança alimentar. Isto tem sido alcançado através do estabelecimento das Escolas Agrícolas de Campo (FFS – Farmer Field Schools) que treinam os beneficiários do projeto em várias práticas agrícolas, tornando-os ao mesmo tempo familiarizados com tecnologias melhoradas.

De acordo com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), 46% das crianças menores de 5 anos sofre de má nutrição crônica no Congo. Esta estatística tem colocado a RDC entre os 5% dos países com as maiores taxas de mortalidade infantil do mundo. A agência está combatendo esta perturbadora estatística ao trabalhar de forma ativa para melhorar as condições de saúde e nutrição das crianças menores de 2 anos. Através do método PM2A (prevenindo a má nutrição abaixo dos 2 anos), a ADRA tem suprido a necessidade do consumo de nutrientes dos beneficiários através de uma mistura nutritiva de milho e soja conhecida como Corn and Soy Blend (CSB) e óleo, utilizados em porções ou raçoes preventivas.

“O período da gravidez é o mais crítico no desenvolvimento do feto e do cérebro, por esta razão, é crucial que as mulheres grávidas tenham uma nutrição apropriada,“ diz Laura Brye, conselheira para saúde e nutrição da ADRA Internacional. “Adicionalmente, é muito mais provável que uma grávida mal nutrida irá dar a luz a uma criança mal nutrida, e o método PM2A é uma proteção para que isto não aconteça.“

A ADRA está contribuindo para o melhoramento da saúde materna através do treinamento das mães em práticas de amamentação, e na prevenção e tratamento das doenças da infância.

Violência sexual e contra a mulher é bastante comum no Congo e sua prevalência tem aumentado. De acordo com relatórios da agência, quase dois terços das mulheres tem sido vítimas de violência em algum momento da vida depois de terem completado 15 anos. Adicionalmente, a ADRA informa que o status da mulher na RDC é bastante baixo, resultando diretamente no fato delas terem muito pouco a dizer nas decisões feitas no lar. Com frequência as mulheres são impedidas do acesso às informações sobre as finanças e sobre os serviços de saúde. A falta de tratamento igualitário e a negação dos direitos básicos a estas mulheres, provoca o aumento das necessidades de saúde, a diminuição da auto estima e a pouca confiança na habilidade de tomar decisões.

O projeto JENGA II da ADRA está confrontando esta situação através do estabelecimento dos Grupos de Fortalecimento das Mulheres (Women’s Empowerment Groups – WEGs), que procuram fortalecer a participação e o processo de tomada de decisão das mulheres dentro das comunidades alvo. Cerca de 4.000 mulheres tem tido acesso ao treinamento sobre administração de negócios, uso do dinheiro, orçamento e administração de fluxo de caixa, além do aumento de oportunidades econômicas através dos WEGs. Com estas oportunidades de treinamento, A ADRA está olhando para o futuro a fim de ver estas mulheres utilizando as novas habilidades de liderança aprendidas, em suas famílias e comunidades.

A ADRA está presente no Leste da RDC por 17 anos, e continua trabalhando para melhorar as condições gerais de subsistência dos mais pobres e vulneráveis membros da sociedade. Durante o período do projeto, a ADRA estará trabalhando em parceria com a Visão Mundial (World Vision) e com a John Hopkins Bloomberg School of Public Health.

A ADRA é uma organização não governamental global que provê desenvolvimento comunitário sustentável e assistência em tempos de desastre, sem qualquer discriminação quanto a associação política ou religiosa, idade, gênero, raça ou etnia. No Brasil, a ADRA está presente por mais de 25 anos e somente em 2010, a agência executou 124 projetos comunitários e de assistência, beneficiando mais de 400 mil pessoas em todo o país. Para mais informações sobre a ADRA Brasil, visite www.adra.org.br . Estamos também no twitter: @ADRABrasil.

veja também