Aquele que diz "vou" nem sempre vai

Aquele que diz "vou" nem sempre vai

Atualizado: Quarta-feira, 9 Setembro de 2009 as 12

Os dois irmãos da parábola que aparece em Mateus 21.28-32 eram possuídos de temperamento e reações diferentes, como na parábola do filho pródigo, que envolve também "um homem que tinha dois filhos" (Lc 15.11-32). Naquela parábola, o filho mais velho disse que iria trabalhar na vinha a pedido do pai, mas acabou não indo. O mais novo afirmou de pronto que não iria, mas, depois, arrependeu-se e foi.

O primeiro rapaz retrata aqueles que têm um bom começo e pronto. O segundo é o protótipo daqueles que encontram uma indisposição inicial, mas mudam o curso dos acontecimentos. No primeiro caso há uma disposição aparente, verbal, sem firmeza, sem provas. No segundo, uma resposta áspera seguida de arrependimento e ação positiva. O filho mais velho faz a vontade própria - não a vontade do pai. O mais novo faz a vontade do pai - não a própria.

O que vale perante Deus, no final das contas, não é a mera disposição, não são palavras, mas o obedecer. Não há substituto para a obediência: "Tem porventura o Senhor tanto prazer em holocaustos e sacrifícios quanto em que se obedeça à sua palavra?" (1 Sm 15.22). Jesus sempre mostrou a necessidade de se obedecer e relacionou a segurança do crente com a obediência (Mt 7.24-27). O que faz a vontade de Deus liga-se a ele por laços de parentesco espiritual; é seu "irmão, irmã e mãe" (Mt 12.50). Quando a mulher dentre a multidão disse a Jesus: "Bem-aventurada aquela que te concebeu e os seios que te amamentaram", o Mestre respondeu: "Antes bem-aventurados são os que ouvem a palavra de Deus e a guardam!" (Lc 11.27-28).

veja também