Associação Vale da Bênção resgata e educa

Associação Vale da Bênção resgata e educa

Atualizado: Quinta-feira, 18 Março de 2010 as 12

No último sábado, 13 de março, foi celebrado os 25 anos da Associação Vale da Bênção, em Araçariguama (SP). A associação é conhecida pelos programas socais, que visam ajudar crianças, adolescentes e famílias necessitadas.

Um dos grandes programas é o Colégio Vale da Bênção, também localizado em Araçariguama. A escola oferece, além da grade curricular básica, aulas de música, educação bíblica, inglês, educação física e informática.

Em entrevista ao GUIAME.com.br , o Pastor Tércio Sá Freire de Oliveira, diretor de projetos sociais, descreve com detalhes como é esse projeto.

Guia-me: Qual faixa etária o "Colégio Vale da Bênção" atende, quantos alunos ela comporta, e qual é o sistema de ensino?

Pastor Tércio: Na realidade, a escola é o grande desafio que vem dando certo. Começou como "Ensino Fundamental Sementinha" e depois, em 1990, tornou-se o "Colégio Vale da Bênção". De lá pra cá, crescemos fisicamente, no número de alunos e, inclusive, em nossa grade curricular. Hoje estamos terminando a oitava série e instalando o ensino médio.

Como a escola funciona em um prédio adaptado, onde foi a segunda "Casa Lar", e teve esse aumento no número de estudantes - hoje são 177 matriculados -, chegamos ao limite que a escola pode comportar.

A escola tem parceira com a ECEP (Escolas Cristãs de Educação por Princípios) e com o sistema positivo. Ela é bem antenada no sistema de educação.

Guia-me: Para esse ano, há pretensão de aumentar o número de alunos e o espaço do colégio?

Pastor Tércio: Nós fizemos uma parceria com o poder público e iremos construir duas salas sociais, não são educacionais. Então, pode-se ver que a escola tem uma preocupação com a parte social também.

Guia-me: A escola é pública ou privada?

Pastor Tércio: É uma escola privada,  única no município, mantida pela Associação Vale da Bênção, motivo pelo qual a gente tem um programa de bolsas. Uma parte das crianças da "Cidade da Criança" estuda lá para contemplar a gratuidade que a gente tem. Então, a gente vai fazendo uma série de arranjos para a coisa poder andar.

Guia-me: O Vale da Bênção dá algum tipo de treinamento preparatório aos funcionários?

Pastor Tércio: Sim. Um exemplo é o Curso de Desenvolvimento Comunitário, no qual a gente busca capacitar e instrumentalizar o nosso pessoal para ter uma visão estratégica de projetos na comunidade.  

Guia-me: Com o aumento de renda que o Vale tem alcançado, pretendem expandir o projeto e o local?

Pastor Tércio: É um tremendo desafio. A gente trabalha com um planejamento estratégico.

Na área da gestão crescemos muito, nós temos hoje processos de orçamentos - os realizados e o que a gente propõe. Mas temos buscado crescer mais na linha do desenvolvimento comunitário.

Os projetos de acolhimento institucional são muito caros. A "per capita" é 700 e em Sorocaba chega a um pouco mais que mil por causa do número menor e de uma casa que é alugada. Então, visamos expandir projetos de intervenção comunitária, como o "Vou vencer", que oferece oficinas de dança, informática, assistência familiar e incentiva a leitura, e custa em torno de dez reais por menino.

Logicamente que os programas de acolhimento institucional vão continuar. Nós temos um limite aqui na "Cidade da Criança", já estamos construindo a nona "Casa Lar". Hoje, esse programa acontece em parceria com os municípios. Temos parceria com Sorocaba, Lençóis Paulista, São Roque e com Araçariguama.

Então a gente busca parcerias, porque se não a gente não consegue efetivar o orçamento, é muito complicado.

Guia-me: Você citou a importância de parcerias para efetivar o orçamento dos projetos. Como é feita essa busca por parcerias?

Pastor Tércio: Nós temos uma estratégia de prospecção, capitação e manutenção de parcerias. Trabalhamos e prestigiamos nossos relacionamentos, sempre buscando mantê-los. É por isso que temos parcerias de quase 25 anos.

Apesar de não termos assessoria de imprensa, temos também um trabalho muito ativo de mailing, feito na raça. Pegamos o endereço de todas as pessoas que chegam até nós e mandamos imediatamente informações da organização para que elas possam ser alimentadas com o conteúdo de nossos projetos. Fazemos isso de forma sistemática.

Todo mês essa pessoa irá receber uma carta juntamente com um boleto de cobrança bancária com a intenção de desafiá-la a ser logo uma contribuinte. Caso ela responda positivamente, mandamos uma carta de agradecimento independentemente do valor ofertado. Além da carta, vai um recibo para que o contribuinte possa saber que sua oferta foi registrada na nossa contabilidade.

Fazemos isso com muita transparência, com muita segurança, porque entendemos que precisamos ser bem proativos nesse processo.

Por: Débora Padoin Malva

Colaboração: Juliana Simioni

veja também