Cerca de 1.000 meninas são forçadas a casamento islâmico todos os anos no Paquistão

As meninas de minorias religiosas são sequestradas ainda adolescentes e forçadas à conversão ao islamismo e a se casar com homens bem mais velhos.

fonte: Guiame, com informações da Associated Press / CBN News

Atualizado: Terça-feira, 29 Dezembro de 2020 as 10:25

Policiais escoltam a adolescente paquistanesa Arzoo Raja, após sua aparição no Tribunal Superior de Sindh, em Karachi, Paquistão, no dia 3 de novembro de 2020. (Foto: AP Photo/Fareed Khan)
Policiais escoltam a adolescente paquistanesa Arzoo Raja, após sua aparição no Tribunal Superior de Sindh, em Karachi, Paquistão, no dia 3 de novembro de 2020. (Foto: AP Photo/Fareed Khan)

A jovem Neha adorava os hinos que enchiam sua igreja de música. Mas ela perdeu a chance de cantá-los no ano passado, quando aos 14 anos, foi forçosamente convertida do cristianismo ao Islã e casada com um homem de 45 anos, no Paquistão.

Ela contou sua história em uma voz tão baixa que às vezes parecia sumir em meio ao seu depoimento, enquanto usava um lenço azul firmemente amarrado em volta do rosto e da cabeça.

Atualmente, o marido de Neha está na prisão, enfrentando acusações de estupro, por ter se casado com uma menor de idade. Ainda assim, ela permanece escondida, com medo, depois que os seguranças confiscaram uma pistola que seu cunhado havia levado ao tribunal.

“Ele levou a arma para atirar em mim”, disse Neha, cujo sobrenome não está sendo usado pela Associated Press, por razões de segurança.

Neha é uma das quase 1.000 meninas de minorias religiosas que são forçadas a se converter ao islamismo no Paquistão a cada ano, principalmente para preparar o caminho para casamentos que estão abaixo da idade legal e não são consensuais.

Ativistas de direitos humanos dizem que a prática ilegal se intensificou durante os bloqueios em razão da pandemia do coronavírus, quando as meninas estão fora da escola e mais visíveis. Os ‘traficantes de noivas’ são mais ativos na Internet e as famílias ficam mais endividadas.

O Departamento de Estado dos Estados Unidos declarou este mês o Paquistão como "um país de particular preocupação", devido às violações das liberdades religiosas - uma designação que o governo do Paquistão ainda insiste em rejeitar.

A declaração dos EUA foi baseada em parte em uma avaliação da Comissão dos Estados Unidos sobre Liberdade Religiosa Internacional de que meninas menores de idade nas comunidades minoritárias hindus, cristãs e sikhs foram "sequestradas para conversão forçada ao Islã ... casadas à força e estão sujeitas ao estupro".

Contexto

Embora a maioria das meninas convertidas sejam hindus empobrecidas da província de Sindh, no sul, dois novos casos envolvendo cristãos, incluindo o de Neha, afetaram o país nos últimos meses. Um deles é o de Arzoo Raja, que semelhantemente a Neha, foi sequestrada com apenas 14 anos, na região central da cidade de Karachi, forçada a se converter ao islamismo e a se casar com um homem de 45 anos. Agora ela está com seu caso sob julgamento por um tribunal paquistanês, mas ainda não retornou à sua família.

Outro caso é o de Maira Shahbaz, foi sequestrada com apenas 13 anos e forçada a se casar com um homem muçulmano bem mais velho. Atualmente, ela já está com sua família, mas pede ajuda internacional para conseguir se manter em segurança, fora do alcance de seus sequestradores, que ameaçam a ela e sua família.

As meninas geralmente são sequestradas por conhecidos cúmplices e parentes ou homens à procura de noivas. Às vezes, elas são tomadas por poderosos proprietários como pagamento de dívidas pendentes de seus pais lavradores, e a polícia muitas vezes faz vista grossa para esses crimes. Depois de convertidas ao islamismo contra sua vontade, as meninas são rapidamente casadas, geralmente com homens mais velhos ou com seus sequestradores, de acordo com a independente Comissão de Direitos Humanos do Paquistão.

As conversões forçadas prosperam sem controle em uma rede lucrativa que envolve clérigos islâmicos que solenizam os casamentos, magistrados que legalizam os sindicatos e policiais locais corruptos que ajudam os culpados, recusando-se a investigar ou sabotando investigações, segundo informações de ativistas de proteção à criança.

Um desses ativistas, Jibran Nasir, alertou para a existência de uma “máfia” que ataca garotas não muçulmanas, porque elas são as mais vulneráveis ​​e os alvos mais fáceis “para homens mais velhos que praticam pedofilia”.

O objetivo é garantir noivas virginais em vez de simplesmente buscar novos convertidos ao Islã. As minorias representam apenas 3,6% dos 220 milhões de paquistaneses e muitas vezes são alvo de discriminação. Aqueles que relatam conversões forçadas, por exemplo, podem ser alvo de acusações de blasfêmia.

veja também