Cerca de 200 cristãos se unem em oração e impedem fechamento de igreja, na Argélia

País promove onda de fechamentos de igrejas evangélicas com alegações que têm sido contestadas pelos advogados das igrejas.

fonte: Guiame, com informações do Christians News

Atualizado: Quarta-feira, 28 Agosto de 2019 as 9:07

Cristãos impedem fechamento de igreja com cartazes e oração. (Foto: Reprodução/Morning Star)
Cristãos impedem fechamento de igreja com cartazes e oração. (Foto: Reprodução/Morning Star)

Uma brigada de gendarmaria, a guarda militar da Argélia, apareceu em um local de culto evangélico na Argélia na segunda-feira (26) para executar as mais recentes ordens de fechamento de igrejas das autoridades provinciais, mas a tentativa foi impedida pelos cristãos.

Quando a gendarmaria de Akbou estacionou seus veículos às 9h30 no pátio da igreja em Ighzer Amokrane, a 192 quilômetros ao leste de Argel, o prédio estava cheio de cerca de 200 cristãos de igrejas diferentes unidos em oração e adoração, e cartazes de protesto pendurados das paredes: "NÃO ao fechamento injusto das igrejas" e "Revogação da Lei 03/06".

Autoridades haviam emitido um aviso no início deste mês de que a igreja Ighzer Amokrane, de 300 membros, seria fechada.

Os policiais, armados com armas da polícia, saíram de seus veículos com cautela.

Um ancião da igreja, um membro do conselho do grupo legalmente reconhecido de igrejas protestantes na Argélia, a Igreja Protestante da Argélia (l'Église Protestante d'Algérie, ou EPA) e seu advogado os receberam, apoiados por cristãos de 33 igrejas, segundo fontes.

O advogado, Wahab Chiter, pediu para ver a ordem de fechamento. Depois de ler, ele disse ao chefe de brigada que era inválida porque o chefe provincial não tinha autorização para assinar tal ordem, de acordo com fontes.

Ele explicou que uma ordem de fechamento para um local de culto pode vir apenas da comissão que governa locais de culto - uma comissão que ainda precisa ser cumprida.

O pastor Salah Chalah, presidente da EPA, disse que não cumpriria a ordem de fechamento nem a ordem para que todos os presentes se dispersassem.

"O que você está fazendo é injusto", disse o pastor Chalah ao oficial. "Você quer fechar todas as igrejas, ou você abre todas elas."

Os oficiais argumentaram que deviam executar suas ordens, mas os líderes cristãos se recusaram a ceder.

Ordem revogada

O chefe da brigada telefonou para um superior e voltou 10 minutos depois dizendo que não iam fechar a igreja. Eles conseguiram que o presidente da EPA e sua equipe se reunissem com o chefe da província de Bejaia na quarta-feira (28) para tentar resolver o assunto. Depois de muita discussão, os policiais foram embora.

"O que acaba de acontecer é um feito para a igreja argelina", disse um dos líderes da igreja Ighzer Amokrane, Idjouadiene Madjid. “Permanecemos confiantes no Senhor. A mão que assinou a ordem de fechamento terminará assinando o decreto de seu cancelamento. Eu tenho uma garantia firme disso”.

O pastor Chalah, da EPA, disse ao Morning Star News por telefone que a luta ainda não acabou.

"Esta é uma vitória para nós, mas a luta ainda não está ganha", disse ele. “Esperamos que o chefe de Bejaia aceite nos receber na quarta-feira.”

O fechamento da igreja requer uma ordem judicial, de acordo com o grupo de defesa Middle East Concern (MEC). Uma igreja Akbou também prevista para o fechamento também foi poupada por enquanto, disseram fontes.

As autoridades argelinas se engajaram em uma campanha sistemática para fechar os locais de culto cristão e outras instituições cristãs desde novembro de 2017, de acordo com o MEC. Desde então, nove igrejas da EPA e uma igreja não pertencente à EPA receberam ordens de fechamento, com seis delas sendo fechadas, informou o MEC.

“A maioria das igrejas da EPA foi desafiada a provar que está licenciada de acordo com uma portaria de 2006 [Lei 03/06] que estipula que todo culto não-muçulmano deve ser realizado em prédios especialmente designados para esse fim”, segundo um comunicado de imprensa do MEC. "O governo ainda tem que emitir uma licença única."

Cristãos argelinos pedem que o encontro com autoridades desta quarta-feira (28) contribua para acabar com a campanha de fechamento das igrejas, segundo o MEC.

No início deste mês, a polícia interrompeu um culto de adoração para selar um prédio da igreja no centro-norte da Argélia, menos de três meses depois de trancar outro local na mesma área.

A EPA tem 45 igrejas afiliadas em todo o país. Em novembro de 2017, os “comitês de segurança de edifícios” começaram a visitar a maioria das igrejas filiadas à EPA e perguntaram sobre as licenças exigidas pela lei de 2006 que regula o culto não-muçulmano, de acordo com o MEC.

Várias igrejas desde então receberam ordens escritas para cessar todas as atividades, e as autoridades fecharam um número delas para operar sem uma licença.

O Islã é a religião do estado na Argélia, onde 99% da população de 40 milhões são muçulmanos. Desde 2000, milhares de muçulmanos argelinos depositaram sua fé em Cristo. Autoridades argelinas estimam o número de cristãos em 50 mil, mas outros dizem que pode ser o dobro desse número.

A Argélia classificou-se em 22º lugar na Lista Mundial da Perseguição da Portas Abertas, como um dos países onde é mais difícil ser cristão, acima do 42º lugar do ano anterior.

veja também