Companhia da Alegria é um ministério pela melhor idade em São Paulo

Companhia da Alegria é um ministério pela melhor idade em São Paulo

Atualizado: Terça-feira, 7 Junho de 2011 as 11:27

Na noite de domingo, 5 de junho, a advogada e servidora estadual Neide Rodrigues, 68 anos, emocionou-se e com isso comoveu cerca de 150 pessoas que assistiram ao seu batismo no templo central da Igreja Adventista de São João da Boa Vista, SP, município distante 218 km da capital. Sem esconder o passado, e ao mesmo tempo sem limitar-se a ele, Neide desceu ao tanque batismal e surpreendeu a congregação ao revelar-se sem a peruca que protege sua cabeça desde que uma série de adversidades a fez perder todos os cabelos. “Nasci para a felicidade”, disse, refletindo uma impressionante paz interior.

A transformação espiritual de Neide Rodrigues tem suas raízes na Companhia da Alegria, um ministério cujo objetivo é levar amor, atenção e respeito a pessoas da melhor idade.  Iniciado no ano passado, o projeto é resultado de sensibilidade em série. O pastor Antônio Pires, líder adventista para São João da Boa Vista, observou na engenheira Maria Elisabeth Tavares, 57 anos, uma pessoa dedicada a oferecer carinho e atenção a pessoas nessa faixa de idade. Sugeriu que criasse uma espécie de ministério de apoio aos idosos. A reação de Elisabeth demonstrou que ela parecia esperar por esse convite. Nascia a Companhia da Alegria.

O ínicio – As primeiras reuniões aconteceram em agosto de 2010. Para atrair as pessoas para os encontros, Elisabeth juntou-se a outras forças voluntárias do templo. Uma delas é Dulcinéa Camargo, que até o ano passado, aos 86 anos, era secretária da igreja. Definida a equipe, as voluntárias iniciaram as reuniões e foram surpreendidas com a presença de 40 e até 50 pessoas em cada encontro.

As reuniões são mensais, sempre na primeira quinta-feira de cada mês. Em cada uma delas, e de maneira alegre e descontraída, os participantes assistem a palestras sobre saúde, qualidade de vida, culinária e outros assuntos. Terapeutas, profissionais de saúde e outros especialistas são convidados a falar para o grupo. Há momentos para atividades recreativas, interação social e estudo devocional.

Ao final de cada encontro, o clima de festa é substancialmente elevado ao compartilharem lanches e refeições.  “Nesses encontros, não nos preocupamos em cobrar uma postura religiosa. Nosso objetivo é amar as pessoas, especialmente nessa faixa etária, quando muitas vezes leva-se uma vida bem solitária”, declarou Elisabeth, uma líder voluntária que não economiza simpatia e sensibilidade com esta causa, a qual se dedica antes mesmo da Companhia da Alegria, quando dava aulas de ginástica para idosos na cidade.

Um dos momentos mais emocionantes aconteceu durante a Semana Santa deste ano, quando os participantes realizaram uma representação sobre estes momentos da vida de Jesus. “Fizemos a Páscoa lembrando a tradição da Bíblia, com um carneirinho no cenário, ervas amargas e pão sem fermento, enquanto os jovens participaram com as encenações”, disse Maria Sueli Pires, esposa do pastor Antônio Pires e uma das apoiadoras do movimento.

Vida nova – A Organização Mundial da Saúde classifica cronologicamente como idosos as pessoas com mais de 65 anos de idade em países desenvolvidos e com mais de 60 anos de idade em países em desenvolvimento. No Brasil, a população dessa faixa etária cresceu mais de 15%, nos últimos cinco anos, segundo o IBGE. Ter um ministério focado em dar atenção a esse grupo resulta em pessoas descobrindo um novo propósito para a vida.

Foi o que aconteceu com Neide Rodrigues, a despeito de uma vida de adversidades. Ela perdeu o pai e, três anos depois, perdeu a irmã, ambos falecidos. Em 2001, foi a vez de perder a mãe. Sem parentes e sozinha no mundo, Neide iniciou uma busca espiritual para encontrar a paz prometida na Escritura Sagrada. Dedicou-se ao trabalho ao extremo, e isso comprometeu sua saúde ao ponto de perder os cabelos. Ao visitar a Igreja Adventista, certa ocasião, ela sentiu-se amada e atraída para voltar outras vezes, fato que repetiu-se no dia seguinte, quando aceitou o convite para participar das reuniões da Companhia da Alegria. “Hoje não estou mais só. Tenho uma linda família e isso é uma benção do Céu”, afirmou.

veja também