Convertidos sofrem perseguição por parte da família e do governo

Convertidos sofrem perseguição por parte da família e do governo

Atualizado: Segunda-feira, 7 Junho de 2010 as 9:01

O Catar é um pequeno Estado independente localizado na Península Arábica, na extremidade oriental da Arábia Saudita, e ocupa a 18ª posição na Classificação de países por perseguição .

O islã conquistou a região no século VII e a partir de então, o Catar foi domínio de vários impérios muçulmanos. Os iranianos dominaram a região por algum tempo, mas a Arábia Saudita assumiu o controle no século 18, seguida pelo Império Turco-Otomano no século seguinte.

Não se sabe ao certo o número de cristãos. Sabe-se, porém, que a maioria deles é estrangeira, imigrantes que trabalham para as companhias petrolíferas.

É possível que haja alguns milhares de cristãos nativos não declarados.

Os cultos religiosos são realizados sem autorização prévia do governo; contudo, as congregações não podem anunciá-los publicamente com antecedência, e nem usar símbolos religiosos visíveis, como a cruz. Os cultos cristãos são realizados regularmente e abertos ao público. Alguns, particularmente os de Páscoa e Natal, atraem milhares de participantes.  

Em março de 2008 foi inaugurada a primeira igreja cristã oficial, a igreja católica romana Santa Maria. Até então, os cristãos não tinham permissão para cultuar publicamente.

Segundo a Constituição do Catar, o islamismo é a religião oficial do Estado e a base do sistema legal. Esta mesma Constituição, no entanto, garante direitos democráticos. O respeito à liberdade religiosa melhorou nos últimos anos. A Constituição explicitamente provê a liberdade de culto, e adotou leis que proveem liberdade de reuniões públicas.

Essa dicotomia reflete-se na sociedade. Embora qualquer tentativa de evangelismo seja proibida, os estrangeiros cristãos são livres para organizar e divulgar seus serviços de culto, e ministros cristãos têm liberdade para entrar no país e viajar pelo território sem nenhuma restrição. O governo regula a distribuição de materiais religiosos, mas há permissão para se importar Bíblias.

Missionários contam que os convertidos sofrem uma perseguição severa por parte de sua família e do governo, e podem até ser mortos por isso. Por essa razão, ex-muçulmanos protegem sua identidade e não querem nem ter contato com outros ex-muçulmanos, temendo fofocas, traição e perseguição. Quase todos os ex-muçulmanos catarianos se convertem fora do país quando, por exemplo, cursam universidades no ocidente. Mas a maioria não retorna ao país após sua conversão, temendo a perseguição.

Pedidos de oração

1. A Igreja no Catar está em crescimento. Ore para que os novos convertidos se dediquem tanto ao evangelismo local quanto a missões transculturais em outras nações do Oriente Médio. Ore também pelo desenvolvimento contínuo da implantação de igrejas e do discipulado, permitindo que os novos convertidos sejam treinados.

2. A Igreja catariana é constituída majoritariamente por estrangeiros. Ore para que esses trabalhadores encontrem novas formas de compartilhar discretamente sua fé e implantar novas igrejas.

3. A Igreja sofre restrições moderadas. Louve a Deus pela liberdade encontrada pela Igreja no Catar. Os cristãos têm mais liberdade que outras minorias religiosas. Peça que o relacionamento com o governo continue sendo positivo.

veja também