Cristã é presa sob falsas acusações de blasfêmia

Cristã é presa sob falsas acusações de blasfêmia

Atualizado: Segunda-feira, 5 Abril de 2010 as 12

Em um ato que os cristãos paquistaneses veem como mais um abuso das leis controvérsias de blasfêmia do país, Rubina Amjad, uma cristã, mãe de três filhos, foi acusada e presa juntamente com seu filho mais novo.

Nasir Saeed, diretor do Centro de Ajuda Legal, Assistência e Deslocamento (CLAAS), afirmou que Rubina, moradora de Alipur Chatta, uma cidade próxima a Gujranwala, foi acusada sob as leis de blasfêmia do Paquistão por supostamente fazer referências depreciativas ao profeta Maomé.

Nasir relembrou que três cristãos - Hussain Masih, Isaac Masih e Iqbal Sahar Ghouri - foram acusados de blasfêmia em 1999, mas o Supremo Tribunal absolveu os três em 2001.

O ativista de direitos humanos afirmou que, inicialmente, a polícia de Alipur negou ter prendido Rubina.

Os problemas começaram com Rubina descobriu que a ghee (tipo de manteiga líquida usado na culinária indiana feita de leite de vaca ou búfalo e clarificado através de fervura), que ela havia comprado de sua vizinha muçulmana por US$ 7,59, estava adulterada.

Então, Rubina foi até sua vizinha e pediu que ela devolvesse o dinheiro em troca da mercadoria.

No entanto, a vizinha Samina disse a Rubina que, como ela cristã e já havia tocado na manteiga, não poderia devolvê-la. A atitude de Samina levou as duas a discutirem verbalmente.

Um parente de Samina transformou a discussão em uma briga por motivos religiosos.

Mais tarde, Samina, um clérigo muçulmano e outros muçulmanos registraram uma queixa contra Rubina, alegando blasfêmia, o que pode condená-la a pena de morte.

Rubina foi enviada para a prisão com seu filho de um ano, e o restante da família se escondeu.

Ore por essa família e por todos os cristãos paquistaneses, pois os cidadãos desse país têm abusado da lei de blasfêmia para prejudicar os cristãos.

Tradução: Missão Portas Abertas

veja também