Cristãos na Tunísia clamam por paz

Cristãos na Tunísia clamam por paz

Atualizado: Segunda-feira, 17 Janeiro de 2011 as 9:33

Ore pelos cristãos que se encontram na Tunísia. Nesta sexta-feira (14), o presidente Zine El Abidine Ben Ali decretou estado de emergência por conta dos protestos que assolaram o país depois do anúncio de que o governo seria dissolvido e eleições seriam convocadas antecipadamente.

Com isso, estão proibidas reuniões públicas e as forças de segurança estão autorizadas a atirar contra qualquer um que se recuse a obedecer suas ordens. O espaço aéreo tunisiano também foi fechado. Ninguém pode deixar o país.

Tiros foram ouvidos nas ruas capital Túnis nesta sexta. O presidente havia pedido, na quinta-feira, que as forças de segurança usassem munição não-letal na repressão de protestos violentos, mas mesmo assim há relatos de mortes entre manifestantes.

Ben Ali dissolveu seu governo hoje e convocou eleições antecipadas, que devem ocorrer em seis meses, informou a agência de notícias oficial TAP. O primeiro-ministro, Mohammed Ghannouchi, foi encarregado de formar o novo governo.

Manifestações

Os tunisianos foram às ruas nos últimos dias para protestar contra a inflação, o desemprego, a corrupção e para pedir maior abertura política. Nesta sexta, a polícia teria disparado bombas de gás lacrimogêneo contra a multidão. O número oficial de mortos é de 23, mas a oposição afirma que o total é bem maior.

Na quinta-feira, Ben Ali disse que deixaria o poder em 2014. Ele está no poder desde 1987 e é apenas o segundo presidente da história do país africano, que ficou independente em 1956. O primeiro, Habib Bourguiba, dominou o país por 31 anos.

Hoje os cristãos representam apenas 0,5% das cerca de 10 milhões de pessoas que habitam o país. Quase toda a sua totalidade (99%) é formada por islâmicos. Os ateus e sem religião também representam 0,55 da população tunisiana.

Interceda ao Pai pelo fim dos conflitos na Tunísia, a fim de que aquele povo possa experimentar a paz, a graça e o amor do Senhor Jesus Cristo.

Por Marcia Pinheiro

veja também