Cristãos no Egito usam tatuagem de cruz para mostrar fidelidade a Jesus na perseguição

A tradição dos cristão coptas de tatuar uma pequena cruz no pulso ou na mão é uma declaração pública da fé.

Fonte: Guiame, com informações da Open Doors USAAtualizado: segunda-feira, 24 de janeiro de 2022 18:37
 Os cristãos coptas têm a tradição de tatuar uma pequena cruz na mão ou no pulso. (Foto: Open Doors USA).
Os cristãos coptas têm a tradição de tatuar uma pequena cruz na mão ou no pulso. (Foto: Open Doors USA).

Mesmo vivendo num país de maioria islâmica, os cristãos egípcios continuam declarando sua fé em Cristo com ousadia e coragem. No Egito, a 20° nação mais perigosa para ser um cristão no mundo, é comum ver crentes com tatuagens de cruz, até mesmo em crianças cristãs.

De acordo com a Portas Abertas, no século VII, o Egito se transformou de uma nação cristã para um país muçulmano e os egípcios cristãos passaram a sofrer perseguição. Os crentes que permaneceram no Egito após a mudança, passaram a tatuar uma pequena cruz no pulso ou na mão, com o propósito de mostrar que eram seguidores de Jesus e que eram obrigados a pagar imposto por causa de sua fé.

Os cristãos coptas, egípcios membros da Igreja Ortodoxa Copta, adotaram a tatuagem como uma tradição religiosa, numa expressão de sua fidelidade a Deus em meio às dificuldades.

“As tatuagens mostram que o portador pertence a Jesus. Carregar um símbolo que nunca desaparecerá significa, que não importa o que aconteça, você carrega consigo um lembrete de seu compromisso com Deus e o compromisso dele com você”, explicou a Portas Abertas.


Os cristãos coptas têm a tradição de tatuar uma pequena cruz na mão ou no pulso. (Foto: Open Doors USA).

Com o maior símbolo cristão tatuado no pulso, os cristãos coptas fazem uma declaração pública de sua fé, numa parte do corpo visível a todos. É um ato radical de fé, coragem e resistência diante da opressão islâmica que enfrentam. 

Segundo o Portas Abertas, a perseguição aos seguidores de Cristo no Egito acontece tanto através de atos de violência, como ataques terroristas a igrejas e assassinatos, quanto a partir de pressão social e familiar para abandonar a fé cristã.

Os coptas, que representam cerca de 10% dos 96 milhões de habitantes do Egito, foram alvo de frequentes ataques do Estado Islâmico nos últimos anos.

Em 2015, 21 cristãos coptas foram decapitados por militantes do grupo numa praia na Líbia. A execução foi gravada e divulgada pelo grupo extremistas como uma mensagem de ameaça ao "povo da cruz".


Os cristãos coptas têm a tradição de tatuar uma pequena cruz na mão ou no pulso. (Foto: Open Doors USA).

Os coptas foram sequestrados em incidentes separados na Líbia ao longo de Dezembro de 2014 e Janeiro de 2015, antes de ser lançado um vídeo, mostrando a sua decapitação em massa, no dia 15 de fevereiro de 2015.

O vídeo intitulado "Uma mensagem assinada com o sangue para a nação da Cruz" mostrou uma série de militantes do Estado Islâmico atrás dos cristãos, que estavam ajoelhados e usando macacões laranja. Logo após, os 21 cristãos coptas foram decapitados ao mesmo tempo e tiveram suas execuções registradas pelas câmeras.

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições