Cristãos são agredidos na Índia

Cristãos são agredidos na Índia

Atualizado: Terça-feira, 14 Setembro de 2010 as 8:27

Suspeitos nacionalistas hindus do estado de Orissa continuam tensos desde a violência em 2008: em 20 de agosto, um anticristão bateu num católico de 47 anos até que caísse inconsciente.
 
Subhash Nayak disse ao Compass que foi atingido por uma pedra, agredido com paus e assaltado por quatro homens não identificados, perto de um canteiro de obras, quando ele ia para casa na aldeia Laburi, Kapingia no distrito de Kandhamal. Extremistas hindus de lá mataram mais de 100 pessoas nas semanas de ataques após o assassinato do líder extremista hindu Swami Laxamananda Saraswati.

Um monge de 80 anos de idade, que durante décadas liderou o movimento anticonversão em zonas tribais de Orissa, Saraswati foi morto a tiros em 23 de agosto de 2008. Os líderes da igreja da área, como Biswajit Pani de Khurda relataram que os aldeões de Laburi teriam planejado o ataque anual neste período, de pelo menos, um cristão.

Nayak disse que os assaltantes o abandonaram à morte.

"Eu não conseguia ver seus rostos, pois estava muito escuro, e eles tentavam furar meus olhos com varas", disse Nayak, ainda ressentido. "Pisaram em meu peito, batendo incessantemente até que eu caísse inconsciente. Eles me deixaram, pensando que eu estava morto. "

Afirmando que ninguém tinha nenhuma inimizade pessoal em relação a ele, Nayak disse que extremistas hindus no distrito de Kandhamal têm dito às pessoas: "Nós destruímos e queimamos suas casas e igrejas, que eles têm reconstruído, mas agora vamos atacar suas vidas, que não poderão reconstruir. "

Pani e outro cristão local, o professor reformado Tarsish Nayak, disseram também ter ouvido nacionalistas hindus espalharem essa mensagem.

Nayak lembrou que há um ano, quando regressava à sua aldeia na noite do aniversário do assassinato de Saraswati, ele ouviu alguém sussurrar: "Aí vem ele... ele está chegando perto", e ele fugiu.

“Havia pessoas se escondidas, esperando para me atacar", disse ele.

Saraswati, líder da organização extremista hindu Vishwa Hindu Parishad (Conselho Mundial Hindu), foi assassinado por um grupo maoísta, mas os cristãos foram falsamente acusados por isso. Os ataques anticristãos mataram mais de 100 pessoas e queimaram 4.640 casas, 252 igrejas e 13 instituições de ensino. A violência também eclodiu no distrito de Kandhamal, durante a semana do natal de 2007, matando ao menos quatro cristãos e queimando 730 casas e 95 igrejas.

A área onde vive e trabalha Nayak foi uma das mais atingidas nos ataques anticristãos após o assassinato de Saraswati. Depois de recobrar a consciência, Nayak esforçou-se para levantar, sentindo o ferimento na cabeça. Sua bicicleta estava perto, danificada, com a luz dianteira quebrada.

Nayak disse que não tinha certeza há quanto tempo ele estava inconsciente na estrada, mas eram 23h no momento em que ele conseguiu voltar para casa. Ele disse que foi penas pela graça de Deus que "aos poucos, lentamente, chegou em casa." "Eu estou morrendo ", foram as minhas palavras quando entrei em casa antes de cair novamente inconsciente", declara. Sua esposa Mamta Nayak, dois de seus filhos, seus pais e oito moradores levaram-no inconsciente sobre uma maca por três quilômetros, antes de chegar ao hospital público, no início da madrugada.

Um médico foi chamado em sua casa para realizar o primeiro atendimento. Ele precisou levar pontos na testa, sofreu ferimentos no joelho direito, no rosto, nas costelas e peito. Ele ainda tem dificuldade de mastigação dos alimentos. "Eu me sinto náuseas e dor na cabeça enquanto eu movo o queixo", disse.

Sentindo-se fraco pela grande perda de sangue, Nayak recebeu solução salina via intravenosa, durante oito dias no hospital. Ele disse que ganha muito pouco e teve de sacrificar alguns pertences de valor para pagar despesas médicas. O médico aconselhou-o a passar por uma ressonância, que ele não pode evitar.

Pani Nayak disse ao Compass que se recusou a registrar queixa com a polícia por medo de retaliação.

Nayak, explicou: "A polícia não vai tomará nenhuma atitude, e nós vimos no passado que ameaçarei minha vida fazendo isso."

veja também