Cristãos são proibidos de cultuar mesmo após igreja cumprir exigências na Argélia

Autoridades argelinas estão usando justificativas na legislação para proibir que igrejas continuem no país.

fonte: Guiame, com informações do Barnabas Fund

Atualizado: Sexta-feira, 1 Fevereiro de 2019 as 3:13

Tenda montada para as reuniões também foi proibida pelas autoridades. (Foto: Divulgação/Barnabas Fund)
Tenda montada para as reuniões também foi proibida pelas autoridades. (Foto: Divulgação/Barnabas Fund)

Os perseguidores dos cristãos na Argélia estão buscando justificativas na legislação para apoiar suas investidas contra fechar as igrejas. Com o objetivo de acabar com os cultos, as autoridades alegam supostas violações de saúde e segurança ou que as igrejas não estão devidamente registradas e autorizadas a funcionar.

Essa foi a explicação das autoridades para lacrar uma igreja na vila de Azaghar, a cerca de 180 quilômetros a sudeste de Argel. Ela perdeu o uso de seu prédio em outubro de 2018, apesar de a congregação responder a pedidos para instalar saídas de incêndio e extintores de incêndio, conforme havia sido exigido pelas autoridades.

A igreja de Azaghar é membro da l'Église Protestante d'Algérie (EPA), o guarda-chuva legalmente reconhecido das igrejas protestantes na Argélia, e estava aberta há cinco anos.

Para não ficar sem realizar os cultos, foi montada uma tenda nos terrenos da Igreja, permitindo que a congregação de 300 pessoas continuasse a adorar após o fechamento forçado do prédio por razões sem justificativas, mas alegadas como de “saúde e segurança”.

Na segunda-feira (28), mais uma vez os fiéis foram forçados pela polícia a sair da tenda onde estavam adorando a Deus.

Azaghar é declaradamente o quarto lugar cristão de culto a ser fechado no ano passado.

Segundo o relatório do Portas Abertas, a Argélia é o 22º que mais persegue cristãos.

Muçulmanos

Na Argélia, todos os grupos religiosos não-muçulmanos devem estar registrados para realizar cultos e estão restritos a locais aprovados.

Na prática, as autoridades normalmente permitem que igrejas registradas em organizações religiosas oficiais e até grupos cristãos não registrados se reúnam sem precisar de permissão específica. No entanto, várias igrejas foram desativadas desde o início de 2018.

Enquanto a conversão ao Islã não é uma ofensa criminal na Argélia, aqueles que testemunham e evangelizam muçulmanos podem enfrentar uma sentença de cinco anos de prisão. A igreja de Azaghar tem evangelizado e acolhido muçulmanos locais.

Desde novembro de 2017, a maioria das igrejas afiliadas à EPA foi visitada pelos chamados “comitês de segurança predial”. Esses comitês não só inspecionaram a adequação dos edifícios para sediar reuniões, mas também perguntaram sobre as licenças exigidas sob um decreto de 2006 que regulamenta Culto muçulmano. No entanto, o governo ainda tem que emitir qualquer licença para um prédio da igreja sob essa portaria.

Várias igrejas desde então receberam ordens escritas para cessar todas as atividades.

A congregação em Azaghar foi visitada por um “comitê” em dezembro de 2017. Em fevereiro de 2018, a igreja recebeu uma carta citando o não cumprimento dos regulamentos de segurança (falta de saídas de emergência e extintores de incêndio). A igreja resolveu esses problemas. No entanto, a carta também mencionou violações dos regulamentos relativos a visitantes estrangeiros e observou uma violação do uso comercial designado do edifício (produção de aves). Foi lacrada pelas autoridades em 16 de outubro de 2018.

veja também