Cristãos se unem para ajudar o Haiti durante a epidemia de cólera

Cristãos se unem para ajudar o Haiti durante a epidemia de cólera

Atualizado: Quarta-feira, 24 Novembro de 2010 as 12:57

Dentro do pátio do Hospital São Nicolau, além do portão com a placa manuscrita que avisa "Apenas Emergência de Diarreia", há uma cena desagradável, mas estranhamente ordenada no centro da inesperada epidemia de cólera do Haiti. Muitos estão deitados sobre as superfícies disponíveis, atormentados por distúrbios estomacais convulsivos ou lívidos de desidratação. Baldes foram colocados a seus lados, soluções intravenosas gotejam em seus braços.

A cólera pode ser fatal, embora ela possa ser facilmente tratada com antibióticos e reidratação. Mas em um país que não tinha acesso a água limpa mesmo antes do terremoto de janeiro, o tratamento não está sempre ao alcance. A cólera se espalha por meio da água contaminada e a passagem do recente furacão naquele país provocou inundações e deslizamentos de terra em algumas áreas.

Até o fechamento desta edição, a cólera no Haiti já havia matado mais de 1.200 pessoas. O governo da República Dominicana já decretou em novembro alerta na fronteira de 360 quilômetros com o Haiti para impedir a proliferação da doença.

A epidemia de cólera no Haiti começou em outubro e atingiu o Vale do Artibonite, uma área agrícola, considerada a mais crítica até agora. Agências cristãs de ajuda e desenvolvimento estão trabalhando no Haiti para responder à ameaça da cólera, entre elas está a Igreja Metodista Unida.

“Estamos no Haiti para o povo do Haiti", disse a reverenda Cinthya Harvey Fierro da Junta Geral de Ministérios Globais. Harvey é a cabeça da Igreja Metodista Unida Comissão de Socorro de Emergência (UMCOR), que faz parte de Ministérios Globais.

"A pergunta que fazemos em nosso trabalho é como vamos construir a capacidade das comunidades e dar a titularidade ao povo haitiano? Não é sobre nós”, continuou a reverenda.

Durante estes nove meses desde o terremoto devastador no Haiti, a UMCOR prestou assistência aos sobreviventes e construiu uma base para uma grande escala de recuperação, em longo prazo.

A UMCOR distribuiu cuidadosamente mais de US $ 40 milhões doados pelos Metodistas Unidos e outros adeptos fiéis. Segundo a pastora, essa ação deverá capacitar o povo haitiano a construir uma infra-estrutura sustentável.

Na foto está um caminhão da UMCOR durante atendimento no Haiti. Foto: UMCOR

Os Metodistas Unidos mantém um relacionamento de longa data com o Haiti. Os fortes laços entre a Igreja Metodista do Haiti e da Comissão de Socorro de Emergência ajudou no sentido de facilitar a abertura do escritório de campo em 2005, naquele país.

A Compassion International (Compaixão Internacional), que tem trabalhado no Haiti desde 1968, tem centros de desenvolvimento infantil que estão fornecendo água potável, comprimidos de saneamento de água e sistemas de água filtrada para as crianças assistidas pela Compassion e suas famílias.

"Sem acesso à água limpa, tratamentos médicos baratos e educação básica, os pobres no Haiti, assim como os outros países vão continuar a sofrer e a morrer desnecessariamente de doenças de sobrevivência," escreveu Mark Hanlon, vice-presidente sênior da Compaixão dos EUA, em uma recente coluna.

Na foto acima, uma menina carrega água potável cedida por instituições de ajuda humanitária. Foto: Unicef

"A única maneira de efetivamente vencer esses antigos inimigos que atacam os pobres é derrotar a pobreza”, disse.

A “Ajuda Batista Mundial”, o braço e desenvolvimento da Aliança Batista Mundial, enviou mais de 12.000 dólares ao Haiti para lutar contra o surto de cólera. Os recursos serão utilizados para transporte de pacientes, para pagar auxílio médico e suprimentos, e conseguir água potável para aqueles que precisam, de acordo com a Missão Batista do Haiti.

Enquanto isso, a Water Missions International (Missões Internacionais de Água), uma ONG que atua com engenharia, enviou recentemente 20 sistemas de tratamento de água para o Haiti. Cada sistema de tratamento de água, concebido pelo grupo pode ser configurado dentro de duas horas e fornecer a 5.000 haitianos com suas necessidades diárias de água por menos de um centavo por pessoa por dia. Os sistemas de água a ser enviada suprirão 100 mil haitianos, com acesso à água, sustentável segura.

"Temos que lembrar que centenas de milhares de haitianos vivem sob pedaços de plástico e até mesmo pequenos ventos podem ser devastadores," disse Greene, George III, fundador de Water Missions International, em um comunicado sexta-feira. "O potencial para um surto de cólera significativa nessas condições multiplica”, explicou.

A Water Missions já enviou 115 sistemas de tratamento de água para o Haiti. A organização instalou dez sistemas adicionais em outubro, em resposta ao surto de cólera, fornecendo água potável para mais de 50.000 pessoas no Vale do Artibonite.

Como ajudar? Embora muito tenha sido feito, a recuperação do Haiti ainda está no início. Sua ajuda financeira e oração ainda são necessárias. Visite o site a seguir e saiba como colaborar com essa causa. www.umcorhaiti.org .

Por Diana Gilli (com informações da UMCOR)

veja também