Detentos de Realeza recebem orientação religiosa dentro da cadeia

Detentos de Realeza recebem orientação religiosa dentro da cadeia

Atualizado: Terça-feira, 15 Junho de 2010 as 11:01

Após aproximadamente 10 anos, os presos da Delegacia de Realeza voltam a ter acompanhamento religioso. Uma vez por semana, o pastor Johnny Cleber Francisco, da Igreja Adventista do 7º Dia, juntamente com seus auxiliares, profere palestras religiosas aos presos. A lei de execuções penais, em seu artigo 24, prevê a Assistência Religiosa, autorizando o preso a portar livro de instrução religiosa, dispondo ainda que essa assistência deve ser facultativa. E isso tem acontecido na Delegacia de Realeza.

Esse importante trabalho está sendo realizado após consulta junto ao Ministério Público local acerca da viabilidade. Após a aprovação, foi dado início aos trabalhos. No primeiro dia, foi realizada uma reunião com os presos para informá-los dessa atividade e que a mesma era facultativa. Estamos vendo uma evolução muito grande na conduta dos presos.

O Pastor Johnny comentou que esta iniciativa é muito importante, pois está estabelecendo princípios cristãos aos presos, através da palavra de Deus. Abrimos portas para que Deus possa agir em suas vidas, a atuação do Espírito Santo será vista através do próprio comportamento deles na carceragem, bem como a dedicação nos estudos, e colocar em prática na sua própria vida. A conversão plena só será confirmada após o preso ser liberado, quando ele continua a depositar sua confiança em Deus , abandona o passado e prossegue uma nova vida.

Ainda conforme o Pastor, um dos detentos que foi liberado na semana passada e que foi para Chapecó (SC), dizendo para mim que voltaria para casa, mas que gostaria de continuar os estudos naquela cidade. Na semana passada, a Irmã Célia Castro, representante da Igreja Católica, disse que em poucas semanas a Pastoral Carcerária também irá proferir palestras para os detentos da Delegacia de Realeza.

  Por: Matheus Araújo Laiola - Delegado da Polícia de Realeza

veja também