Entrevista: Pr. Marcos Pereira da Silva

Entrevista: Pr. Marcos Pereira da Silva

Atualizado: Quarta-feira, 2 Abril de 2008 as 12

Entrevista: Pr. Marcos Pereira da Silva

Por Myrian Rosário

 

Pregando o evangelho entre assassinos, traficantes e ladrões

 

Sem medo da bandidagem, ele entra no terreno do inimigo para resgatar vidas do crime para Jesus. Conversões genuínas, respeito no meio secular e boa fama entre todos têm sido o seu galardão.

Ele talvez seja a única pessoa que tem livre acesso para circular por todas as facções criminosas do Rio de Janeiro. Fundador da Igreja Assembléia de Deus dos Últimos Dias, o Pr. Marcos Pereira da Silva é respeitado por bandidos, policiais e autoridades políticas que, não raro, pedem sua intervenção para solucionar impasses como a libertação de reféns.

Simples e bem disposto, ele costuma ser destaque no noticiário da mídia secular, que não entende de onde vem a sua ousadia e poder de persuasão. Recentemente, foi personagem principal em reportagens do jornal O Globo, do Rio de Janeiro, e do Jornal da Band, exibido na Rede Bandeirantes em cadeia nacional. Saiba como esse servo de Deus foi escolhido para resgatar pessoas com vidas marcadas por crimes e destruição e levá-las à maravilhosa luz de Cristo, no poder do Espírito Santo.

Guia-me: Quando o senhor recebeu o chamado para trabalhar com encarcerados?

Pr. Marcos: Depois de conhecer as Sagradas Escrituras. Posso citar Hebreus 13.3,  Salmos 146:7-8 e Isaías 61:1.  

Guia-me: O senhor recebeu algum treinamento especial antes de começar o ministério nos presídios?

Pr. Marcos: Recebi a promessa de Atos dos Apostólos capítulo 2.

 

Guia-me: Como foram as primeiras visitas?

Pr. Marcos: Tudo começou em 1990, quando uma irmã me convidou para ir ao extinto presídio  da Ilha Grande para visitarmos o seu irmão. Ao chegarmos lá, senti o grande chamado de Deus e, meditando na Bíblia, entendi que esse é um dos maiores mistérios e que todo o crente em Jesus precisa entender. Não é algo específico do meu ministério, mas sim uma ordenança para todos os crentes em Jesus.

Guia-me: Como a sua família encarava esse ministério? Eles tiveram medo em algum momento?

Pr. Marcos: Julgaram-me como maluco e tiveram muito medo, mas hoje todos eles me respeitam e tenho o privilégio de ter alguns ao meu lado.

Guia-me: Atualmente, que trabalhos são desenvolvidos pelo senhor?

Pr. Marcos: Realizamos cultos em delegacias, presídios e comunidades carentes. Pregamos nos trens, ônibus e praças públicas, entre outros lugares.

Guia-me: O senhor já foi ameaçado por algum bandido?

Pr. Marcos: Já, muitas vezes. Mas, através do nosso trabalho, conseguimos convencê-los dev que estamos fazendo a vontade de Deus.

Guia-me: O senhor já foi desrespeitado ou recebeu tentativa de corrupção por alguém?

Pr. Marcos: Todos tentaram me dar algo do tráfico, mas nunca me corrompi. Por esse motivo entro em todas as comunidades de todas as facções. Teve até um caso de um jovem. o "Beto Escopeta", que quis pagar o dizimo de um roubo, o que não foi aceito, é claro.

Guia-me: Conte um pouco sobre a sua atuação na rebelião de 2004, na Casa de Custódia de Benfica?

Pr. Marcos: Já rebelião já durava três dias e a população e todos os parentes já estavam esperando um outro Carandiru. Foi quando o Governador Antony Garotinho me chamou para mediar a situação. Entramos quase no fim da tarde e vimos uma cena digna de um filme de terror: muitos mortos e muitos mutilados e outros feridos e amarrados em botijões de gás. Começamos a orar e pregar para os rebelados. Em pouco tempo, dominamos toda a carceragem e depois colocamos todos os presos no pátio, louvando e dando glória a Deus. Foi uma experiência inesquecível da parte do meu Deus.

Guia-me: Quantas pessoas Jesus já resgatou da criminalidade através da sua pregação?

Pr. Marcos: Já passaram pelo nosso Instituto Vida Renovada mais de 5.100 homens e isso está documentado. No Presídio "Evaristo de Morais", o Galpão da Quinta, temos hoje 2.000 crentes. Isso sem contar os outros Estados e países onde realizamos esse trabalho desde 1991. No nosso site (www.adud.org.br),  temos alguns testemunhos das pessoas que foram resgatadas através do nosso trabalho.   

Guia-me: Destes, quem são os convertidos de maior destaque pela sua periculosidade ou notoriedade antes de Cristo?

Pr. Marcos: Posso citar o Paulo César Machado ( Mutante), Alderico de Medeiros (Derico de Acari), Washington (Feijão do Amarelinho)), Henrique ( Gaguinho), Antonio Paulo (Naval) e Nilton de Niterói.

Guia-me: Existe algum pré-requisito especial para ministrar a esse tipo de gente?

Pr. Marcos: Compromisso com a palavra e com a sociedade.

Guia-me: O senhor se sente seguro no meio desses criminosos?

Pr. Marcos: Sim, pois entendo que a nossa luta não é contra a carne nem o sangue e sei que estou guardado pela Trindade Santa.

Guia-me: É difícil para as autoridades seculares entenderem o seu trabalho?

Pr. Marcos: No começo foi muito difícil, mas hoje eles estão abrindo o coração e respeitando o nosso trabalho. Já fui investigado, mas até hoje nunca conseguiram provar nada contra mim. Depois de tanta investigação, eles entenderam que o nosso trabalho é sério e tem a aprovação de Deus.

Guia-me: O Senhor já se viu em alguma situação de perigo?

Pr. Marcos: Já passei por várias situações perigosas. Posso citar uma vez que eu estive em um conflito entre facções opostas e consegui, com o poder de Deus, libertar a muitos. Também já sofri vários atentados contra minha vida.

Guia-me: A que o senhor atribui o carinho e a simpatia que goza junto aos excluídos?

Pr. Marcos: À minha palavra e, principalmente, à minha postura como homem de Deus. Não sou conivente com facção alguma.

Guia-me: Qual seria a saída para o problema da violência e da criminalidade no Brasil?

Pr. Marcos: Educação, leis mais rígidas, saúde, emprego e, principalmente, o trabalho das igrejas.

Guia-me: Como a igreja recebe os criminosos após a conversão? Existe preconceito?

Pr. Marcos: Pela sociedade infelizmente sim, mas pela igreja não.

Guia-me: Como reintegrar essas pessoas à sociedade?

Pr. Marcos: A igreja precisa perseverar muito e a pessoa também precisa perseverar e não desistir.

Guia-me: Quais são as maiores dificuldades de um criminoso que se converte?

Pr. Marcos: Conseguir um emprego e ser aceito pela sociedade.

Guia-me: O senhor permitira que a sua filha ou filho se casasse com alguém do mundo do crime que tenha se convertido? Por que?

Pr. Marcos: Sim, pois acredito na recuperação do ser humano. A Bíblia nos diz em Romanos 5:20: "Veio, porém, a lei para que a ofensa abundasse; mas, onde o pecado abundou, superabundou a graça".

veja também