Espancamento de líderes idosos causa indignação em comunidade

Espancamento de líderes idosos causa indignação em comunidade

Atualizado: Segunda-feira, 5 Setembro de 2011 as 3:53

Este mês, centenas de cristãos protestaram contra a detenção de dois líderes da igreja em uma delegacia no sul de Bangladesh, após um cristão ter sido informado de que um ativista do partido do governo tinha ocupado sua casa.

Bablu Biswasm, do distrito de Gopalganj, tinha apresentado uma queixa à polícia, acusando o filho do dirigente da Liga Awami de Bangladesh (AL) de ocupar ilegalmente sua casa. Biswasm disse que Sohel Miah tomou sua casa em 23 de julho. Miah também é ativo na AL.

Um oficial da polícia de Gopalganj convocou os cristãos e os líderes do partido que está no poder, que são muçulmanos, para irem à delegacia resolver esse impasse. Onukul Biswasm, pastor da Assembleia de Deus, também estava presente na reunião.

“A ideia dos dirigentes do partido era de que deveríamos aceitar tudo o que eles dissessem; se argumentássemos alguma coisa, eles ficariam irritados”, disse o pastor Biswasm. “Em certo momento, Miah empurrou um dos nossos líderes mais idosos da igreja. Ele o empurrou várias vezes e deu um soco em seu nariz.”

Os cristãos deixaram a delegacia protestando contra o ataque sofrido por seu líder idoso, disse o pastor Biswas, mas enquanto eles protestavam, Miah e seus apoiantes bateram em Mitul Bala, pastor também idoso, da Igreja do Nazareno em Bangladesh.

“O espancamento de dois líderes idosos trouxe indignação a toda a comunidade cristã”, disse Biswas.

Os cristãos de Gopalganj rapidamente se mobilizaram, reunindo-se para protestar contra o tratamento recebido pelos cristãos, na delegacia. Os manifestantes apresentaram uma carta de protesto ao chefe do distrito, que prometeu resolver a questão em uma semana.

Bangladesh é a terceira maior nação muçulmana do mundo, com um percentual de 89% de muçulmanos em uma população de 164,4 milhões de habitantes, de acordo com a World Operation. Os cristãos representam menos de 1% da população e os hindus, 9%.

Tradução: Lucas Gregório

veja também