Extremistas invadem aldeia e matam 95 cristãos no Mali

Pelo menos 95 homens, mulheres e crianças de uma aldeia cristã foram mortos por extremistas Fulani.

fonte: Guiame, com informações da Portas Abertas

Atualizado: Segunda-feira, 24 Junho de 2019 as 11:10

Imagem ilustrativa. Pelo menos 95 cristãos foram mortos em aldeia no Mali. (Foto: Portas Abertas)
Imagem ilustrativa. Pelo menos 95 cristãos foram mortos em aldeia no Mali. (Foto: Portas Abertas)

Um ataque no Mali, no oeste da África, matou pelo menos 95 pessoas, incluindo homens, mulheres e crianças — representando um terço da aldeia. Segundo uma fonte local da organização Portas Abertas, todas as vítimas eram cristãs.

Na noite de domingo, 9 de junho, militantes muçulmanos da etnia Fulani incendiaram casas e atiraram contra moradores da vila Sobame Da, no centro de Mali, na região de Mopti. Muitos dos corpos foram encontrados queimados.

“Cerca de 50 homens fortemente armados chegaram em motocicletas e caminhonetes. Eles primeiro cercaram a vila e depois atacaram. Qualquer um que tentasse escapar era morto”, disse Amadou Togo, sobrevivente dos ataques, à agência de notícias AFP.

Ele acrescentou: “Ninguém foi poupado — mulheres, crianças e idosos”.

De acordo com um comunicado do governo, os extremistas também mataram animais e incendiaram casas. “Uma aldeia em Dogon foi praticamente exterminada”, disse uma fonte de segurança do Mali no local do massacre.

O Mali está imerso em conflitos desde 2013, quando militantes islâmicos que capturaram grande parte do norte do país se estabeleceram nas regiões central e sul do Mali. Eles foram empurrados de volta para o Saara em 2013, mas eventualmente, segundo a BBC, “a insurreição — que se espalhou para o centro de Mali até 2015 — diminuiu o controle do governo e aumentou a disponibilidade de armas”.

Em toda a África Ocidental, especialmente no norte da Nigéria, confrontos com militantes Fulani (grupo predominantemente muçulmano) ceifaram milhares de vidas ao destruir aldeias inteiras, matar brutalmente e cometer estupros.

Nos ataques, os cristãos são alvo indiscriminadamente e os muçulmanos são poupados. Com menos de 1% dos cristãos professos entre eles, o grupo ainda não foi alcançado com o Evangelho. Quase 100% dos Fulani seguem o Islã, embora haja vários graus de dedicação ao islamismo.

De acordo com a Portas Abertas, embora a realidade da violência seja cruel, “temos repetidamente visto como o Senhor soberanamente usa o Corpo de Cristo para trazer esperança e lembrar os cristãos que estão na linha de frente que eles não foram esquecidos. Esses seguidores de Cristo estão arriscando suas vidas para seguir a Jesus”.

A organização pede orações por todos os cristãos que sofrem perseguição no Mali e em toda a África.

veja também