Hemoal precisa de doações para tratar pacientes com Leucemia e Dengue

Hemoal precisa de doações para tratar pacientes com Leucemia e Dengue

Atualizado: Quinta-feira, 10 Março de 2011 as 2:30

A maioria dos alagoanos conhece, apenas, a doação de sangue convencional, no entanto, para o tratamento de pacientes com Leucemia e Dengue Hemorrágica, são imprescindíveis plaquetas, que são pequenas células que ajudam na coagulação sanguínea e evitam hemorragias. Para estes casos, o Hemocentro de Alagoas (Hemoal) possui uma central de doação por aférese, onde o voluntário doa apenas as plaquetas, sem que sejam retiradas do sangue as hemácias e o plasma.

O procedimento, de acordo com a diretora do Hemoal, Verônica Guedes, é totalmente seguro, já que o órgão atende a todas as especificações da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). "Com isso, o doador tem a garantia que não sofrerá nenhum mal à sua saúde e, ainda, estará salvando pacientes em situação de extrema fragilidade, a exemplo dos pacientes com Leucemia, Dengue Hemorrágica, Queimaduras e Aplasia", ressalta.

Com o propósito de realizar a separação dos componentes do sangue, a doação de sangue por aférese possibilita que apenas as plaquetas sejam utilizadas e os demais componentes retornem ao organismo do doador. Daí porque, o sangue é retirado da veia de um braço, parte das plaquetas é retirada cuidadosamente e, posteriormente, o sangue é devolvido a veia do outro braço, junto a outra parte das plaquetas, das hemácias e do plasma.

Critérios para doação - A exemplo da doação de sangue convencional, a realizada por aférese também requer que o voluntário tenha entre 18 a 60 anos de idade, peso igual ou superior a 50kg e boas condições de saúde. O doador também não pode ter contraído doença de Chagas, sífilis, hepatite e HIV, além de apresentar um documento de identificação com foto no momento do cadastro.

"No entanto, ao contrário da doação de sangue convencional, antes de ser submetido à aférese, o voluntário realiza todos os exames sorológicos. Caso esteja com algum problema de saúde, ele já será encaminhado para realizar o tratamento, sem que venha a realizar a doação, por está impossibilitado", esclarece Verônica Guedes.

Doação

Enquanto a doação de sangue convencional dura, em média, 30 minutos, a realizada por aférese dura cerca de 90 minutos, sem trazer nenhum prejuízo à saúde do doador. "Em comparação com a doação convencional, na doação por aférese o número de plaquetas retirada do organismo é maior, beneficiando mais receptores e tornando menos exaustiva à procura por doadores de tipagens raras, a exemplo do B Negativo", explica a diretora do Hemoal.

Segundo ela, os doadores por aférese não têm motivos para temer o processo, já que em 72h as plaquetas retiradas são repostas. "Razão pela qual, no intervalo de duas semanas, o voluntário já pode se candidatar para realizar uma nova doação por aférese, que pode ser agendada no Hemoal, por meio do telefone (82) 3315 2109", informa Verônica Guedes.

Eficácia

Ela ressalta que a doação de plaquetas também pode ser realizada pela forma convencional, mas, para se chegar ao resultado esperado, o processo é demorado e complexo. Realidade que pode inviabilizar o salvamento de muitas vidas, as quais, na maioria das vezes, não podem esperar para que todo um processo complexo seja concluído, como é o caso dos leucêmicos.

Na coleta habitual, é retirada cerca de 450ml de sangue e a bolsa é encaminhada para o Laboratório de Sorologia. O líquido é separado em concentrado de hemácias, plasma, fatores de coagulação e plaquetas, que são armazenadas a uma temperatura de 20 a 24 °C e sob agitação constante por 3 a 5 dias, enquanto que o sangue convencional tem validade de até 30 dias.

veja também