Hemocentros convocam doadores no ABCD

Hemocentros convocam doadores no ABCD

Atualizado: Sexta-feira, 25 Fevereiro de 2011 as 3:56

Em feriados prolongados os estoques dos bancos de sangue chegam a baixar 30%, segundo a Secretaria de Estado da Saúde. Neste período, também aumenta o número de casos nos quais há necessidade de sangue, como atendimentos de emergência a vítimas de acidentes, por exemplo.

No ABCD a prefeitura de São Bernardo e a Associação Beneficente de Coleta de Sangue (Colsan) pedem a participação das pessoas para compor o estoque de reserva do Hemocentro Regional para os próximos dias.

De acordo com a gerente da regional ABC da entidade, Solange Rios, a demanda de doadores diminui por conta do feriado. “Temos problemas em encontrar pessoas para doar os Rh negativos (O- A- B- AB-) nessa época”, explicou.

Na cidade em janeiro, foram coletadas 1.379 bolsas no Hemocentro Regional e, até o dia 14 de fevereiro, foram 555 bolsas. A capacidade diária é de 75 doadores e 1.700 por mês.

Os interessados podem ir de segunda a sábado, das 8h às 13h no Hemocentro Regional, situado na rua Pedro Jacobucci, 440, Vila Euclides. No feriado de Carnaval, as doações poderão ser feitas somente nos dias 5 e 7 de março (sábado e segunda-feira).

Em São Caetano, é possível doar no Centro de Hemoterapia Dr. Agnaldo Quaresma. O atendimento funciona na Rua Rio de Janeiro, 602, bairro Santa Paula, de segunda à sexta-feira, das 8h às 12h.

Nos municípios de Diadema, Mauá e Ribeirão Pires não há Hemocentro. As prefeituras da cidade informaram que os moradores interessados devem procurar o Hospital Mário Covas, em Santo André.

Requisitos / Para ser um doador é necessário estar em boas condições de saúde, ter entre 18 e 60 anos (mulheres) e 65 (homens), peso igual ou superior a 50 quilos, estar alimentado e apresentar documento com foto. Homens podem doar a cada 60 dias e mulheres a cada 90.

Não pode doar sangue quem teve hepatite após os 10 anos de idade, seja portador de hepatite B, hepatite C, Aids e usuários de drogas injetáveis.

Doadores do ABCD

O comerciante Sérgio Grotti, de 51 anos, é doador há 30 anos. Para ele, o assunto é uma questão humanitária. “Faz bem pra gente.” O morador contou que tem um grupo de amigos que sempre doam quando ficam sabendo que alguém precisa. “Como já faz três meses que doei estou pensando em passar lá semana que vem”, contou.

A instrumentista cirúrgica Cibele Cordeiro Takahashi, de 34 anos, doou pela primeira vez em novembro e disse que se soubesse que era simples teria começado a doar a mais tempo. “Nunca havia pensado, mas como um amigo estava precisando fui ajudar. Fiquei feliz em ajudar alguém e vou doar de novo.”

veja também