Homem abandona carreira milionária para pregar aos pobres: ‘Ouvi Deus’

Carl Beech saiu para plantar igrejas em comunidades pobres do Reino Unido, fora dos centros ricos, como Londres, onde ele vivia.

Fonte: Guiame, com informações do PremierAtualizado: segunda-feira, 6 de dezembro de 2021 14:21
Carl Beech é um evangelista e líder religioso baseado no Reino Unido, presidente da Christian Vision for Men e Fundador do Edge Ministries. (Foto: Reprodução / Edge Ministries)
Carl Beech é um evangelista e líder religioso baseado no Reino Unido, presidente da Christian Vision for Men e Fundador do Edge Ministries. (Foto: Reprodução / Edge Ministries)

A história de Carl Beech passa pela escolha entre ser alguém bem-sucedido profissional e financeiramente ou seguir o chamado ministerial, o que certamente o faria passar por dificuldades, inclusive financeiras. Ele saiu para “alcançar pessoas esquecidas em lugares esquecidos.”

Estava em suas mãos fazer essa escolha tão rígida. Mas sendo um “cara da Bíblia”, Beech tinha Marcos 8:36 (“De que adianta alguém ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma?”) no fundo da sua mente. Em duas semanas, ele tomou sua decisão: trocou seu luxuoso escritório em Londres por “um quarto fedorento em Ipswich”, onde o processo de treinamento para o ministério começou.

Ele responde, em uma palavra, que o que o fez desistir de uma vida de luxo: Deus. “Há duas conversões na vida cristã”, diz Beech. “Uma quando Deus quebra seu coração por Cristo, e o outra quando você vê o coração de Deus pelos feridos, perdidos e quebrantados. E você não pode deixar de enxergar isso.”

Em vez disso, ele está plantando igrejas na antiga cidade mineira de Staveley, Derbyshire. Longe de ser glamoroso, Beech diz que é um dos muitos lugares “esquecidos” no Reino Unido e típico de comunidade que a Igreja não conseguiu alcançar.

O evangelista é zeloso em testemunhar para as classes trabalhadoras e fica zangado por elas serem tão frequentemente esquecidas. Ele lamenta como as grandes denominações e movimentos religiosos tendem a colocar seus esforços para alcançar as grandes cidades, com sua população predominantemente de classe média e estudantil.

Para este fim, Beech criou recentemente a “Edge Communities” (Comunidades de Borda), com foco em partes carentes do país. Cada comunidade é formada por cristãos que comem juntos e compartilham a comunhão uma vez por semana em um local neutro. Eles adotam uma regra de vida, servem à comunidade em geral e santificam o sábado. Para Comunidades de Borda, não há igreja aos domingos. A igreja deles é o que acontece na semana; Domingos são para descanso.

Ainda é bastante incomum que as igrejas não tenham cultos dominicais. Mas Beech está convencido de que as Comunidades de Borda são expressões legítimas da igreja - não como a maioria de nós sabe disso. Além disso, as pessoas que ele está alcançando “não querem se sentar em fileiras e ouvir o conteúdo projetado”, diz ele.

Ligados às comunidades estão os Edge Centers, que Beech descreve como um “pacote de resgate da concepção ao túmulo”, que oferece desde clubes de empregos até educação e ajuda financeira. “Centrados em Cristo”, eles visam “restaurar a dignidade” oferecendo ajuda com moradia, saúde e trabalho.

É uma grande visão, que tem um alto custo pessoal. Mesmo ao fazer referência a suas provações e tribulações, Beech nunca parece pessimista. Ele é otimista sem ser irritante e cheio de fé sem nenhuma ilusão de grandeza. E por que ele não ficaria feliz? Ele está vendo as pessoas virem a Cristo. "É disso que se trata!" e ele sorri.

Escolha pelo Reino de Deus

Beech diz que o que o levou a viver e trabalhar em comunidades empobrecidas quando estava falando em uma conferência chamada “Love Nations”, em Leeds. “Ali realmente senti o chamado de Deus de volta para onde comecei, que são propriedades pequenas, esquecidas e pobres de 1.000 casas que não têm uma igreja eficaz. Essas são comunidades maltratadas e negligenciadas”, explica.

O plantador de igrejas mora em uma área onde 40 por cento das pessoas não têm qualificações; 35 por cento das crianças estão abaixo da linha da pobreza. “A mina de carvão local está fechada, a fábrica de produtos químicos está fechada, a fábrica está fechada. E existem centenas, senão milhares, dessas comunidades em todo o Reino Unido. Existem milhões de pessoas da classe trabalhadora a serem alcançadas. Mas a maioria dos poderosos movimentos de plantação de igrejas e denominações não vão para o tipo de lugar onde estou morando”, diz.

Ele critica a falta de noção dos líderes que não entendem sobre pobreza. “Quando a Covid chegou, eu realmente fiquei irritado porque todos começaram dizer ‘precisamos fazer igreja digital’. Espere um minuto. A maioria das pessoas com quem estou lidando usa smartphones baratos que não funcionam corretamente. Eles não podem se dar ao luxo de entrar no Facebook. Mais uma vez, eles foram deixados para trás”.

Beech conta que se inspirou no Exército de Salvação para criar as Comunidades de Borda. “Sou muito inspirado pelo movimento do Exército de Salvação, sendo cheio do Espírito, mas [com] um grande coração pelos pobres. Um compromisso Wesleyano com a palavra de Deus porque, no final das contas, sou um verdadeiro cara da Bíblia... com chamadas profundas à oração e partir o pão regularmente”, diz.

A vida comunitária de Bruderhof serve a nossa comunidade com hospitalidade. “[Temos] boas-vindas 24 horas por dia, 7 dias por semana, comida quente e uma cama se você precisar. Queremos fazer tudo isso, além de uma igreja doméstica carismática desenfreada!”, diz Beech.

“Criamos comunidades centradas em Cristo com princípios muito simples: Uma refeição comunitária em um local neutro. Divida o pão regularmente durante a semana. Sirva a comunidade em geral. Adote uma regra de vida, chamada ‘coisas que fazemos’, que é: ‘Vou pedir a Jesus para guiar minhas decisões diárias. Serei generoso com minhas palavras e minhas coisas. Amarei os outros como Jesus me ama, e lerei minha Bíblia e tentarei o meu melhor para vivê-la com a ajuda do Espírito Santo’”, explica.

Colhendo frutos

Beech fala sobre a questão do alcoolismo entre as comunidades onde trabalha, em que ele próprio tinha a prática da bebida. “Preguei o evangelho há duas semanas e três pessoas que aceitaram a Cristo eram adictos em recuperação”.

Ele lembra que o Evangelho é uma boa notícia para os pobres. “Não é para todo seguidor de Cristo viver em uma área de privação, mas acho que todos deveriam perguntar se deveriam ou não”, diz.

“Precisamos de mais financiamento para missões aos lugares pobres do Reino Unido, isso é certo”, avisa.

Beech diz que o foco de seu trabalho é ajudar as pessoas a conhecer Deus. Eles não se envolvem com outras questões debatidas nestes tempos, como homossexualidade, criação, evolução.

“O que dizemos é: ‘Peça a Jesus para guiar suas decisões diárias’. A coisa mais importante é que você deve nascer de novo. Receber as boas novas de Jesus Cristo. Ter sua vida e seu destino mudados”, avalia.

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições