Igreja realiza culto apesar do bloqueio policial

Igreja realiza culto apesar do bloqueio policial

Atualizado: Quinta-feira, 23 Setembro de 2010 as 2:26

Os membros da Igreja indonésia, onde dois líderes foram recentemente atacados realizaram o culto de domingo dentro de sua construção abargada, apesar dos esforços policiais para detê-los.

Cerca de 100 membros da Igreja Protestante Batak Christian (HKBP) na capital da Jacarta, se reuniram para o culto, enquanto centenas de policiais e guardas de segurança permaneceram fora, informou The Globe Jakarta. Os membros alegaram ter o direito à liberdade de culto como outros cidadãos do país do mundo muçulmano.

"Nós apenas queremos realizar as nossas obrigações como cristãos, mas as autoridades nos tratam como terroristas," disse Tambunan Advento, um membro da Igreja, à Associated Press. "Não há justiça para nós neste país."

No domingo, a polícia tinha um ônibus esperando fora na Igreja para transportá-los para outro local de culto. Mas os membros da Igreja recusaram-se e negociaram com as autoridades para que lhes permitisse realizar os cultos ali.

A Igreja está bloqueada desde 20 de junho depois que seus membros desafiaram as ordens e reuniram-se no edifício sem autorização. A HKBP apresentou o seu pedido de licenciamento em 2006, mas as autoridades não responderam em tempo hábil.

Depois de residentes muçulmanos protestarem em dezembro de 2009 sobre o permitir aos cristãos reunirem-se sem a autorização, os funcionários decidiram selar a Igreja por vários meses.

No último domingo, o Rev. Luspida Simandjunktak e ancião da Igreja Hasean Lumbantoruan Sihombing foram emboscados enquanto iam para a Igreja. Em torno das 09h da manhã o ancião da Igreja Sihombing foi esfaqueado no estômago e posteriormente hospitalizado. Enquanto isso, Simandjunktak foi golpeado na cabeça com uma tábua de madeira.

Dez pessoas, incluindo o líder local da Frente Islâmica Defensiva de linha-dura, foram detidos acusados do ataque. Durante meses, o Defensor da Frente Islâmica tinha dito aos cristãos para deixarem o bairro predominantemente muçulmano.

O governo ofereceu dar à Igreja um terreno para uma nova construção do templo, de acordo com The Globe Jakarta, mas a congregação não decidiu ainda se vai aceitar a oferta.

O presidente Susilo Bambang Yudhoyono, dependente de partidos islâmicos no parlamento, tem sido muito criticado por não reprimir os islâmicos linha-dura, que foram imediatamente suspeitos de realizar ataques da semana passada.

veja também