"Independente do que aconteça, a glória é de Deus", diz carta de missionário assassinado

John Allen Chau foi assassinado por nativos de uma tribo isolada, na Índia, ao tentar evangelizá-los.

fonte: Guiame, com informações do Faith Wire

Atualizado: Segunda-feira, 26 Novembro de 2018 as 11:59

John Allen Chau (esquerda) e a carta que ele escreveu para sua família, antes de viajar para a Ilha da Sentinela do Norte, onde foi assassinado. (Imagem: India Today)
John Allen Chau (esquerda) e a carta que ele escreveu para sua família, antes de viajar para a Ilha da Sentinela do Norte, onde foi assassinado. (Imagem: India Today)

O amigo de um jovem missionário americano que foi morto por nativos de uma tribo isolada, depois de viajar para uma remota ilha indiana o descreveu como "uma boa pessoa" que "se importava com o próximo". John Allen Chau foi atacado com flechas e depois enforcado pelos membros da tribo da Ilha Sentinela do Norte, na Baía de Bengala, que sempre foi conhecida por sua hostilidade aos estrangeiros.

Justin Graves, um amigo de Chau do Instituto de Linguística do Canadá, disse ao site Faithwire que Chau era um indivíduo compassivo com uma paixão zelosa por alcançar grupos de pessoas distantes com o evangelho de Jesus Cristo.

"Mais do que tudo, ele se importava com as pessoas", explicou Graves. "Seu amor pelas crianças com quem ele trabalhou em seu programa de futebol sempre foi muito claro. Ele amava especialmente falar sobre aqueles grupos não alcançados que ele achava que realmente precisavam do Evangelho".

Graves notou que ele e Chau costumavam pular a capela para falar sobre o desejo de John de ver mais pessoas de diferentes religiões e tradições chegarem à fé em Jesus.

"Tivemos conversas muito boas sobre o quão fortemente ele sentiu de levar-lhes o Evangelho, incluindo esta tribo específica", revelou Graves ao Faithwire. "Isso foi o que me chamou a atenção sobre ele".

Há opiniões divididas sobre a expedição fatal de Chau às remotas Ilhas Andaman, com alguns acreditando que ele era apenas um turista mal aconselhado. Muitos, particularmente nos círculos cristãos, o vêem como um mártir por tentar alcançar este grupo isolado - uma comunidade que, por todos os relatos, é improvável que já tenha ouvido falar de Jesus Cristo.

"Nosso querido amigo John foi martirizado nas Ilhas Andaman, morto por tiros de arco e flecha", publicou um dos amigos de Chau no Instagram. "Ainda não posso acreditar que você foi levado. É um conforto saber que você está com o Senhor, mas sentiremos sua falta".

Chau chegou a ser comparado com outros missionários que marcaram a história, entregando suas vidas pelo Evangelho, enquanto viajavam para um território inexplorado em uma tentativa de compartilhar a mensagem da salvação. Exemplos bem conhecidos incluem o missionário americano Jim Elliot, que tinha aproximadamente a mesma idade de Chau quando foi assassinado pelo povo huaorani do Equador em 1956.

Diário e carta

Em uma das últimas anotações do diário de John, ele descreveu o encontro de pessoas tribais que se tornaram abertamente hostis com ele quando ele tentou “cantar canções de adoração” para eles.

"Eu gritei: 'Meu nome é John, eu amo vocês e Jesus ama vocês", ele escreveu em uma anotação no diário, obtida pelo Washington Post. Em resposta, um jovem da tribo atirou uma flecha nele, que perfurou sua Bíblia à prova d'água.

Então, na nota final de John, escrita para sua família em 16 de novembro, ele disse: “Vocês podem pensar que sou louco por estar fazendo tudo isso, mas acho que vale a pena declarar Jesus e pregar o Evangelho a essas pessoas... Deus, eu não quero morrer".

John acrescentou: “Senhor, esta é a última fortaleza da ilha de Satã, onde ninguém ouviu ou sequer teve a chance de ouvir seu nome?”

"Eu acho que poderia ser mais útil vivo... mas para você, Deus, eu dou toda a glória do que quer que aconteça", escreveu ele, lembrando de pedir a Deus para perdoar "qualquer um dos habitantes dessa ilha que tentam me matar, especialmente se tiverem sucesso".

A Oral Roberts University, a instituição onde Chau recebeu sua educação teológica, emitiu um comunicado sobre seu ex-aluno.

"Os ex-alunos da Universidade Oral Roberts foram para os limites mais profundos da Terra nos últimos 50 anos, trazendo esperança e cura para milhões", disse o presidente da universidade, Dr. William Wilson. "Não estamos surpresos que John tentasse alcançar essas pessoas isoladas para compartilhar o amor de Deus. Estamos profundamente entristecidos em saber de sua morte".


John Allen Chau (direita) foi assassinado por membros da tribo da Ilha Sentinela do Norte (esquerda). (Foto: India Today)

Divergências

Mas enquanto muitos elogiaram Chau como um herói, outros adotaram uma visão distintamente diferente. O governo indiano havia imposto uma proibição estrita de qualquer estrangeiro de viajar para a ilha ou entrar em contato com o grupo de nativos. Esta decisão foi tomada para proteger a tribo de doenças externas, às quais não teriam imunidade adequada. Como muitos destacaram, John conscientemente escolheu ignorar esse aviso e, em vez disso, assumiu o risco para evangelizar a tribo.

"O próprio Deus estava nos escondendo da Guarda Costeira e muitas patrulhas", escreveu ele em seu diário, descrevendo a jornada de alto risco para a proibida Ilha Sentinela do Norte.

O grupo "Unfundamentalists" — que se autodenomina cristão progressista e esquerdista — postou uma resposta à notícia da morte de Chau, com críticas ao missionário. A organização escreveu que as ações e a morte de John não equivaliam a "martírio", mas foi um resultado de suas ações "tolas" de "fanatismo."

O grupo observou que o assassinato de Chau serviu como "um bom exemplo de como a arrogância e o egoísmo da religião e das pessoas patriarcais fazem com que eles se imponham a outros sem o consentimento".

"Não foi a vontade de Deus que ele pensou estar seguindo; era dele mesmo", continuou o grupo. "Ele não morreu por causa de sua fé. Ele morreu por causa de seu orgulho, arrogância e tolice. Ele tomou uma decisão ruim. Consequências naturais não são martírio".

Quanto a Graves, embora longe de ser tão cruel em suas palavras, ele acredita que Chau cometeu um erro ao tentar alcançar essa vasta tribo.

"O que ele fez aqui não foi sábio", disse Graves ao Faithwire da última viagem missionária de Chau. "Ao lamentar por ele, questiono as suposições teológicas e os métodos missiológicos presentes em grande parte do mundo hoje que podem ter influenciado sua decisão".

"Agora, ele está morto", continuou Graves. "A tribo pode ter contraído uma doença mortal de seu corpo (a principal razão para seu isolamento de fora em primeiro lugar), e os pescadores estão com problemas legais terríveis".

Luto e perdão na família

Quanto à família de Chau, eles estão compreensivelmente arrasados ​​com sua morte, observando em uma declaração que "as palavras não podem expressar a tristeza" que sentem agora.

"Ele era um filho amado, irmão, tio e melhor amigo para nós. Para outros, ele era um missionário cristão, um EMT (técnico de emergência médica), um treinador de futebol internacional e um alpinista", relatou a família, segundo a Sky News.

"Ele amava a Deus, a vida e ajudava os necessitados, e ele não tinha nada além de amor pelo povo da Ilha Sentinela do Norte. Nós perdoamos os supostamente responsáveis ​​por sua morte", acrescentou.

A pessoa mais próxima e querida de Chau também solicitou às autoridades locais que retirassem as acusações apresentadas contra os pescadores locais que ajudaram John a chegar à Ilha.

"John sabia dos riscos", eles disseram, "e ele decidiu viajar para a ilha por conta própria".

"Também pedimos a liberação dos amigos que ele tinha nas Ilhas Andaman", escreveu a família. "Ele se aventurou por vontade própria e seus contatos locais não precisam ser perseguidos por suas próprias ações".

veja também