Internas de comunidades terapêuticas passam por ressocialização

Internas de comunidades terapêuticas passam por ressocialização

Atualizado: Terça-feira, 29 Março de 2011 as 11:02

Após meses de tratamento, internas da Comunidade Terapêutica Élcia Barreto Soares (CTEBS), em Campos dos Goytacazes, RJ, retomam suas vidas, cheias de expectativas e novas realizações.

No mês de fevereiro, Maria Aparecida Sirino, 42 anos, celebrou sua reabilitação ao completar os nove meses de tratamento na CTEBS. Aparecida, moradora de São Pedro dos Ferros (MG), foi encaminhada à comunidade terapêutica devido ao alcoolismo. Hoje se sente pronta para assumir seus papéis na sociedade. Um desses papéis é o de mãe. Durante todo o tempo de tratamento sem ver os filhos, Aparecida comentou: "Não foi fácil, mas valeu à pena".

Nessa nova fase, ela pretende conseguir um emprego e, acima de tudo, permanecer nos caminhos do Senhor, colocando em prática tudo o que aprendeu na CTEBS.

Outra residente, Stela Maris, 43 anos, com seis meses de tratamento, deu mais um passo rumo à ressocialização.  Stela matriculou-se em uma escola pública e, com a ajuda de uma parceira da CTEBS, fará um curso técnico em enfermagem. Depois de onze anos sem estudar, Stela supera suas dificuldades e mostra que, com fé, é possível vencer qualquer barreira.

veja também