Jesus é o reconciliador de todas as coisas (Colossenses 1:13-23)

Jesus é o reconciliador de todas as coisas (Colossenses 1:13-23)

Atualizado: Sexta-feira, 13 Junho de 2008 as 12

Jesus é o reconciliador de todas as coisas (Colossenses 1:13-23)

Jesus é supremo na salvação (3.11). Nele somem todas as distinções criadas pelo homem e caem as barreiras econômicas, sociais, étnicas etc. Ele transformou os cristãos em uma única família onde os membros são iguais em perdão e adoção. É ele quem importa, em primeiro e em último lugar. Portanto, contrário à heresia, não há qualificações ou exigências especiais para vivenciar o privilégio de Deus (2.8-20)

Pelo seu sacrifício, ele trouxe paz e reconciliação para toda a criação (1:19-20). Esta paz e reconciliação estendem para todos que eram inimigos "pelas...obras malignas", mas que agora permanecem na fé do evangelho "que foi pregado a toda criatura debaixo do céu" (1:21-23). Se reconhecermos Cristo como a única cabeça da igreja, deixaremos somente ele nos guiar pela sua palavra, o evangelho. Porém, aqueles que não permanecem no evangelho, não serão achados "santos, inculpáveis e irrepreensíveis" (1:22; II João 9).

É uma obra de paz com o objetivo de reunir a criatura com Deus. Quem se separa de Deus se separa do próximo, da família, de todos. É só uma questão de tempo.

Paulo lembra aos colossenses aqui, a experiência deles mesmos, que já foram reconciliados e que, diante disto, não há motivo para qualquer rito religioso ou mágico, tudo é abolido pela reconciliação que Jesus proporciona, o alvo foi atingido.

Em Colossenses 1:20-23, Paulo lembra aos colossenses da caminhada que fizeram, eram distantes de Deus, pecadores, alheios, viviam mergulhados numa sociedade pecadora, corruptos em sua mente com uma visão torta da vida e do mundo cheia de obras más e injustas.  Cristo sofreu em seu corpo para reconciliar com Deus aqueles colossenses e nós que estamos aqui. Então eles devem se manter afastados de qualquer culto a estas potestades ou poderes. Eles pertencem a Cristo.

Da mesma forma, os cristãos verdadeiros não precisam se alimentar de horóscopos, mitos sobre anjos da guarda, experiências misteriosas de libertação ou algo assim. NÓS PERTENCEMOS A CRISTO.

Há uma condição nova de vida para quem reconhece a Jesus como Senhor. Somos conhecidos como justos e salvos, santos. Somos irrepreensíveis.

Recebemos isto pela fé, não é um fato passado, mas um futuro que começa a se realizar. Há um processo de transformação diária, vamos nos tornando santos porque o que era preciso ser feito foi feito na cruz. Tomamos isto para a nossa vida, a cada dia, pela fé.

O cristão deve ser desafiado à perfeição. Hoje os cristãos querem os benefícios perfeitos de Deus para a sua vida. Mas é preciso ter consciência de que é exigência bíblica o crescimento na perfeição. Implica em teoria (ensinando) e prática (admoestando ou advertindo).

Wilson Taybar Assumpção é pastor

veja também