Jovem cristão luta pela reabilitação de presos

Jovem cristão luta pela reabilitação de presos

Atualizado: Quinta-feira, 18 Março de 2010 as 12

Um jovem cristão, cujos esforços heróicos estão transformando a vida de detentos que vivem em condições desumanas nas prisões de toda a África, faz parte de uma missão no Reino Unido para levantar fundos para apoiar o trabalho da caridade que fundou com 18 anos.

O African Prison Project (APP), fundado por Alexander McLean em 2004, tem construído e reformado bibliotecas, clínicas e centros de saúde em prisões no Quênia e Uganda, que abastecem mais de 60.000 livros e outros materiais educativos e executam programas educativos e oficinas.

Ele também trabalhou na Serra Leoa, onde ensinou os presos a como cultivar seu próprio alimento, trabalhando em fazendas e realizando inspeções das prisões no Malawi, Zimbabwe e Zâmbia.

McLean quer configurar a APP durante o seu ano sabático após a viagem a Kampala, Uganda, para fazer trabalho voluntário em um hospício.

''Eu visitei a maior prisão de Kampala (Luzira Upper Prison) e vi o jeito assustador que os prisioneiros doentes são tratados e decidi fazer algo'', disse ele.

''Eu tentei proporcionar conforto aos presos, orando por eles e confortando enquanto eles estavam morrendo, mas queria fazer mais. Quando cheguei de volta ao Reino Unido eu levantei algum dinheiro com o apoio da minha igreja, a Assembléia do Novo Testamento em Tooting, sudoeste de Londres, e voltei para a prisão Luzira e remodelei a ala doente''.

Foi um trabalho de McLean em Luzira Alta Prisão que aguçou o apetite para trabalhar em outras prisões no continente Africano.

Esse tem sido o impacto do seu trabalho, que foi nomeado Caridade Voluntário do Ano em 2006 e ganhou o prêmio de baliza para jovens em filantropia  2007. O African Prisons Project foi é um vice-campeão na categoria Caridade Times Awards em 2008.

McLean é formado em Direito da Justiça e da Paz e está em vias de completar seu doutorado, onde está estudando a pena de morte na África para que ele possa fornecer legal representação aos prisioneiros africanos.

Ele disse: ''Sabendo que Deus tem um coração para presidiários e aqueles que são tratados injustamente, isso ajuda a manter-me motivado para desenvolver o trabalho que eu faço''.

''Há tempos o meu pessoal veem pessoas sendo espancadas, ouvem gritos e choros, mas não podem fazer nada sobre isso porque poderia ser removido da prisão como um risco de segurança. No entanto, a minha fé me dá a coragem quando as coisas parecem esmagadoras''.

veja também