Justiça a cristãos coptas agredidos ainda está atrasada

Justiça a cristãos coptas agredidos ainda está atrasada

Atualizado: Terça-feira, 21 Setembro de 2010 as 6:06

A Comissão dos EUA para Liberdade Religiosa Internacional (USCIRF) tem solicitado ao governo Egípcio a garantia do andamento do julgamento de três homens acusados pelo assassinato de sete pessoas na noite de Natal em uma pequena cidade ao sul do Egito.

 “Justiça atrasada é justiça negada. Há possibilidade de justiça para os cristãos ortodoxos coptas?” declarou o presidente da USCIRF, Leonard Leo, cuja agência faz políticas de recomendações para o presidente dos EUA, secretário de estado e congresso a respeito de assuntos envolvendo liberdade religiosa internacional.

Em 6 de janeiro, quando cristãos coptas se preparavam para o Natal, homens armados em um carro abriram fogo numa área de compras na cidade de Naga Hammadi. Depois disso, eles foram a frente da principal Igreja da cidade do sul do Egito enquanto fiéis emergiam da multidão à meia-noite.

O tiroteio resultou na morte de seis cristãos e um segurança mulçumano que estava responsável pela segurança da Igreja. Mesmo com a prisão de três homens, alguns cristãos cópticos acreditam que os agressores ficarão impunes ou receberão uma sentença branda, como de costume.

No entanto o governo Egípcio inicialmente decidiu trazer o caso de Naga Hammadi a priori, mas após oito meses, não houve convencimentos e, como Leo notou, “não há encerramento à vista.”

“Infelizmente, isso apenas encoraja a mais violência e é o remanescente de tantos julgamentos do passado em que a justiça nunca serviu,” completou.

Os cristãos no Egito e em outros lugares têm criticado as autoridades locais de como tem lidado com tais casos. Muitos acusam a segurança do Estado e outras autoridades de segurança de cumplicidade em muitos dos crimes contra os coptas egípcios.

Alguns ainda dizem que o último ataque foi em retaliação a recusa da vítima da Igreja de participar de “sessões de reconciliação”, patrocinadas pelo governo após o ataque mulçumano em novembro de 2009 nas propriedades coptas.

De acordo com o relatório do departamento de Estado dos EUA sobre o Egito as “sessões de reconciliação” são comumente usadas pelo governo para deterem cristãos coptas de procurar a justiça após os ataques sectários.

Em apelo, a USCIRF disse que recomendou aos EUA a pressionarem o governo egípcio, para indiciarem os autores responsáveis pela violência. Recomenda-se também a remoção da responsabilidade para com os assuntos religiosos dos serviços de segurança de Estado, com exceção dos casos envolvendo violência ou incentivo à violência.

Devido às sérias e persistentes preocupações sobre liberdade religiosa, o Egito se mantém na lista de vigilância da USCIRF.

veja também