Líder americano fala sobre missões no Nordeste: “O campo está pronto para a colheita”

Kirk Olds é presidente da Jacob’s Well, que nasceu nos EUA e atua no Nordeste do Brasil. Em entrevista ao Guiame, ele conta a visão da organização em relação ao campo missionário.

fonte: Guiame, Luana Novaes

Atualizado: Terça-feira, 19 Novembro de 2019 as 3:06

A organização Jacob’s Well nasceu nos EUA e atua no Brasil com o nome em português, Poço de Jacó. (Foto: Divulgação)
A organização Jacob’s Well nasceu nos EUA e atua no Brasil com o nome em português, Poço de Jacó. (Foto: Divulgação)

Levar água viva para comunidades sedentas. Isso é o que norteia o trabalho da organização Jacob’s Well, que foi fundada nos Estados Unidos e expandiu sua atuação para o Nordeste do Brasil com o nome em português, Poço de Jacó.

O projeto do Poço de Jacó não se limita a ações sociais temporárias, mas promove o desenvolvimento sustentável de água e dos recursos naturais em comunidades carentes, resultando em melhorias a longo prazo. 

Essa é a visão do engenheiro e presidente da Jacob’s Well nos EUA, Kirk Olds. Ele trabalha diretamente com projetos de água e saneamento na cidade de Colorado Springs e tem sido movido pelo desejo de levar água potável para os pobres e necessitados.

“Meu envolvimento é motivado pelo meu desejo de atender o chamado de Deus na minha vida, em usar minhas habilidades para ajudar desenvolver o Seu grande tesouro: as pessoas”, disse Olds em entrevista ao Guiame

O trabalho que começou nos EUA teve uma grande expansão no Brasil. Em sua recente visita ao país, juntamente com o vice-presidente da organização, Ron Sanchez, foi visto de perto a realidade do sertão nordestino — em especial as comunidades Malhada Vermelha, no município de Santo André (PB) e Riacho da Porta, em Pentecostes (CE).

Para Olds, o que mais chama a atenção no Nordeste é “o grande potencial das pessoas que vivem, trabalham e sustentam suas famílias lá, e o incrível potencial da terra e dos recursos que há lá, que atualmente parece não terem utilidade para nada e que não são aproveitados em seu potencial completo”.

Ele destacou: “As pessoas são lindas, elas são cheias de recursos e expressam a imagem de Deus de maneira única e isso é maravilhoso de se ver”.


Kirk Olds, presidente da Jacob’s Well, Robson Zagabria, vice-presidente no Brasil e Ron Sanchez, vice-presidente nos EUA. (Foto: Divulgação)

Impacto no Nordeste

Conhecendo a realidade do Nordeste, Olds acredita que é preciso a Igreja Brasileira dar mais atenção a este campo missionário. 

“Há muitos que não sabem e não têm como usufruir das mãos e pés do Corpo de Jesus, das pessoas que estão por perto para os não alcançados. Então a Igreja, que é o Corpo de Jesus no Brasil, precisa enviar mais trabalhadores para a colheita, porque os campos estão brancos e prontos para a colheita”, disse ele, em referência ao texto bíblico de João 4:35.

Além do evangelismo, o Poço de Jacó provoca impacto nas comunidades através de ferramentas de desenvolvimento social e econômico. Isso é feito através da metodologia de Transformação Integral Comunitária (TIC), originada do inglês Community Health Evangelism (CHE), que incentiva as pessoas a desenvolver projetos sustentáveis em suas comunidades. 

“Quando você promove a caridade ou alívio, você cria a dependência destrutiva naqueles que doam algo, e a tendência para aquele que recebe é adorar, idolatrar ou colocar o doador num pedestal. Quando o desenvolvimento é abordado, a pessoa que recebe o dom do desenvolvimento não olha para a pessoa do doador, e sim para o Criador, que é o único que cria e desenvolve Sua imagem neles de um jeito único, destinado a cada indivíduo”, Olds explicou.


Equipe da organização Jacob’s Well (Poço de Jacó) em comunidade do Nordeste. (Foto: Divulgação)

veja também