Liderança cristã cresce em meio à perseguição e repressão da China

Regime comunista cria “Medidas para a administração de grupos religiosos” e propõe dificultar a formação de novos grupos.

fonte: Guiame, com informações do Christian Daily

Atualizado: Quinta-feira, 10 Outubro de 2019 as 3:43

Governo de Xi Jinping aumenta repressão religiosa na China. (Foto: Reprodução/Daily Express)
Governo de Xi Jinping aumenta repressão religiosa na China. (Foto: Reprodução/Daily Express)

Enquanto a China celebra o 70º aniversário da fundação da República Popular, os contatos da Portas Abertas no país dizem que o governo vem aumentando seu controle sobre as atividades religiosas.

Eles relatam o lançamento do rascunho de um documento recomendando novos regulamentos sobre a contabilidade financeira das operações diárias das igrejas e seus líderes.

O documento, chamado “Medidas para a administração de grupos religiosos”, também propõe dificultar a formação de novos grupos religiosos.

Se implementado, o documento será adicionado ao corpo existente de Regulamentos para Assuntos Religiosos, introduzido em fevereiro de 2018, que estabeleceu critérios detalhados para o registro de igrejas e locais de reunião.

Julie, um contato da Portas Abertas cujo nome foi alterado por razões de segurança, disse que o governo intensificou os esforços para impedir o crescimento da igreja nos últimos dois anos.

"O controle da igreja está no alto da agenda política. Desde 2017, o governo fecha algumas igrejas grandes, monitorando e pressionando os pastores a limitar o crescimento da igreja", disse ela.

"Houve, é claro, uma reação inicial contra os novos regulamentos religiosos, restrições sobre como, onde e quando os crentes podem se encontrar e os avisos de graves consequências para funcionários públicos, médicos, professores e membros do Partido Comunista que frequentam a igreja.

"No entanto, com o tempo, os pastores se tornaram mais otimistas porque ficaram com um grupo principal de cristãos que contabilizou o custo", disse.

Contatos na China disseram à Portas Abertas que o aumento do controle do governo resultou na necessidade de as igrejas se encontrarem em grupos menores, com um resultado surpreendente disso: mais pessoas tiveram que assumir papéis de liderança da igreja.

Partido comunista

Tradicionalmente, o Partido Comunista Chinês (PCC) vê os cristãos com suspeita. Durante a Revolução Cultural, os cristãos foram acusados ​​de serem contrarrevolucionários tentando minar o sonho socialista da China, enquanto o cristianismo foi denunciado como superstição ocidental.

Como crente de longa data, Julie pode se lembrar de suas primeiras experiências na igreja chinesa 30 anos atrás, quando os cristãos ainda precisavam se encontrar secretamente em casas, pátios de vilas, campos e cavernas.

"Poucos cristãos possuíam sua própria Bíblia, por isso tiveram que copiar as escrituras à mão. As pessoas eram muito pobres, mas arriscavam suas vidas diariamente por se encontrarem para adorar", disse ela.

Hoje, os cristãos podem frequentar igrejas sancionadas pelo Estado, mas aqueles que pertencem a igrejas não oficiais continuam sujeitos a prisões, detenções e espancamentos arbitrários por sua fé. As igrejas foram invadidas e tiveram suas cruzes removidas, enquanto em alguns lugares professores e equipe médica foram pressionados a assinar documentos dizendo que não têm fé religiosa, relata o Portas Abertas.

Crianças menores de 18 anos são proibidas de frequentar a igreja e, em algumas áreas, os cristãos idosos foram informados de que não receberão sua pensão a menos que renunciem à fé.

Cada vez mais, câmeras de vigilância estão sendo usadas para monitorar os movimentos dos cidadãos.

"Os cristãos não podem visitar as igrejas quando quiserem", disse o Portas Abertas.

O governo chinês também tornou mais difícil para os cristãos obter uma Bíblia.

Josh, cujo nome também foi alterado por razões de segurança, disse: "Por causa do chamado 'Grande Firewall da China', que impede o povo chinês de acessar muitos sites no exterior, os cristãos chineses não têm acesso a certos recursos, como bibliotecas de livros cristãos ou podcasts de sermões de igrejas ao redor do mundo.

"As Bíblias impressas foram removidas das plataformas de comércio eletrônico em março de 2018, embora Bíblias online e aplicativos da Bíblia ainda estejam disponíveis."

A China é o número 27º da Lista Mundial da Perseguição da Portas Abertas, um ranking de 50 países onde é mais difícil viver como cristão.

É o lar de 97,2 milhões de cristãos, representando menos de sete por cento da população total de 1,4 bilhão.

veja também