Médico missionário é premiado por salvar inúmeras vidas do vírus Ebola

Dr. Rick Sacra foi exposto ao vírus Ebola enquanto cuidava de mulheres grávidas na Libéria.

fonte: Guiame, com informações da CBN News

Atualizado: Quarta-feira, 30 Janeiro de 2019 as 11:44

Dr. Rick Sacra foi exposto ao vírus Ebola enquanto cuidava de mulheres grávidas na Libéria. (Foto: Steven King Photos/Worcester Magazine)
Dr. Rick Sacra foi exposto ao vírus Ebola enquanto cuidava de mulheres grávidas na Libéria. (Foto: Steven King Photos/Worcester Magazine)

Um médico que contraiu o vírus Ebola enquanto resgatava outras pessoas afetadas pela doença foi premiado por seu trabalho missionário na África.

O Dr. Rick Sacra foi exposto ao vírus Ebola em 2014, enquanto cuidava de mulheres grávidas em um hospital cristão na Libéria. Mesmo tendo sobrevivido através de um difícil processo, ele decidiu retornar ao país africano para continuar seu trabalho.

“Eu estava apenas focado no Senhor. Eu digo a você que me agarrei na oração do Pai Nosso como um homem que está se afogando”, disse Sacra à CBN News na última terça-feira (29). “Eu fiz essa oração muitas vezes por dia e simplesmente chorei com ela a maior parte do tempo”.

Sacra recebeu nesta semana o Prêmio L'Chaim de Excelência no Serviço Médico-Missionário da organização African Mission Healthcare, em Nova York, nos Estados Unidos.

O Prêmio L'Chaim foi criado pelos filantropos judeus americanos Mark e Erica Gerson, para ajudar a melhorar a infraestrutura de saúde da África. A premiação inclui o valor de meio milhão de dólares que ajudará a treinar outros especialistas médicos na Libéria.

“Esses missionários cristãos entram em ambientes que são completamente proibitivos e desistem de tudo o que nós, no Ocidente, consideramos necessidades, a fim de cumprir sua obrigação religiosa de servir os pobres”, disse Gerson.

O Dr. Sacra serviu na Libéria com o apoio da organização missionária Serving In Mission (SIM), que tem uma equipe de mais de 4.000 trabalhadores de 65 nacionalidades, espalhados por mais de 70 países.

Seu prêmio de 500 mil dólares será usado para ajudar a treinar outras pessoas e melhorar o Hospital ELWA (Eternal Love Winning Africa), onde ele trabalha na Libéria.

veja também