Missionários sobem semanalmente a 4 mil metros para levar evangelho

Missionários sobem semanalmente a 4 mil metros para levar evangelho

Atualizado: Terça-feira, 12 Julho de 2011 as 8:59

O trabalho de levar a Palavra de Deus a moradores de Arica, no Chile, que vivem em regiões de até 4 mil metros de altitude acima do nível do mar, é possível só mesmo com a graça de Deus. “Gozamos da proteção do Senhor, visto que com frequência passamos por montanhas altíssimas, desfiladeiros, caminhos inóspitos, onde a vida teima em surgir e é rechaçada pelo calor do meio-dia ou pela baixa temperatura nas madrugadas do deserto”, revela o Pr. Claudinei Godoi, missionário da JMM no Chile.

Semanalmente, o pastor e sua esposa, a missionária Priscila Godoi, sobem a 2.500 m de altura e, recentemente, chegaram a 4.500 m. Isso produziu neles um pouco de taquicardia, dores de cabeça e mal estar.

Tamanho esforço é recompensado pelos momentos de alegria que podem compartilhar com os irmãos que vivem nessas localidades quase que inacessíveis.

Em Huara, uma pequena vila que em 2005 foi quase totalmente devastada por um terremoto, cerca de 20 irmãos fiéis se reúnem numa casa feita de barro e palha. A maioria desses irmãos é de ascendência indígena e, apesar dos poucos recursos e quase nenhuma infraestrutura para um templo, não deixam de ter seus momentos de adoração a Deus.

Em Poço Al Monte um missionário da terra prossegue, tenazmente, na implantação da igreja numa comunidade Aymará. A cidade está localizada mais ao sul de onde estão os missionários, mas ainda faz parte do Deserto do Atacama. Segundo o Pr. Claudinei, a aparência do local impressiona. Pequenas casas construídas com material de baixa qualidade e a paisagem extremamente seca fazem com que o cenário pareça triste e desolador. O obreiro da terra, pacientemente, procura “algumas de suas ovelhas”, enquanto no modesto salão onde se reúnem um alto-falante toca músicas cristãs anunciando que o culto vai começar. Poucas pessoas aparecem, mas o pastor persevera em sua missão de cumprir o “ide” de Jesus.

“Temos 'sonhos' para o deserto. Nesses anos de ministério, aprendi que a fé não é controlada pela lógica, não limita suas possibilidades ao visível e não ouve apenas o audível. Apesar de todas as evidências, acredito que existe muito mais vida neste deserto do que aquilo que posso ver com meus olhos”, analisa o Pr. Claudinei.

veja também