Missões: uma questão de inteligência - Coluna - Rick Gois

Missões: uma questão de inteligência - Coluna - Rick Gois

Atualizado: Sexta-feira, 2 Maio de 2008 as 12

Missões, uma questão de inteligência!

Muitas pessoas, hoje, sentem dificuldade para conseguir um envolvimento digno com missões e isso é uma realidade absolutamente questionável.

Por que isso acontece? É necessário ser alguém com uma "espiritualidade alta" (se é que isso existe) para cumprir o honroso e privilegiado "ide"? É uma tarefa tão difícil assim?

Existem vários mitos, conceitos circulando no meio das nossas Igrejas, que espantam a simplicidade do exercício missionário e concretizam essa barreira para a Igreja-indivíduo. Missões, não se faz romanticamente. É HORA DE PENSAR!

Realizar o trabalho missionário é prazeroso, constante, inegociável, portanto vocação da Igreja, acessível, individual mesmo realizado coletivamente.

UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA! Refiro-me não a uma "inteligência intelectual", mas vivencial, inclusiva, ou seja, não está relacionada com poder, escolaridade, cargos, dinheiro ou algo assim, mas pelo viver em harmonia com a única forma de se entender a vida. Deus e o outro.

Existe maior prazer do que conhecer o sentido da sua própria existência? Um trabalho que tem como maior parte da recompensa, a transformação das histórias de homens e mulheres nas mais distintas origens, idades, classes, creio ser motivo considerável e suficiente para prática dos passos ensinados pelo nosso Eterno Professor. NÃO EXISTE RAZÃO PARA QUE EU NÃO FAÇA MISSÕES, SENDO QUE QUEM MAIS IRÁ SER BENEFICIADO SOU EU. Isso por ser igreja, participante do reino! SER MISSIONÁRIO É SER IGREJA!!! Será que a maior dificuldade nisso é porque estamos chamando de Igreja àquilo que não é Igreja?

Rick Gois é missionário e aspirante no curso de Bacharel em Comunicação Social, com habilitação em cinema. Atualmente, mora no Rio de Janeiro e tem sua formação missionária dentro da JOCUM (Jovens com uma missão), organização missionária esta, que mantém vínculos de 2001 até os dias atuais. Brasiliense, casado com Rubian Gois, atua no Rio de Janeiro com pesquisa, seminários e oficinas de arte para Igrejas, pregações em congressos, acampamentos e aconselhamento de jovens.

Contato: [email protected]

veja também