Índia: a injustiça ainda marca o estado de Orissa

Índia: a injustiça ainda marca o estado de Orissa

Atualizado: Quinta-feira, 25 Fevereiro de 2010 as 12

''Os cristãos no distrito de Kandhamal ainda são vítimas inocentes da intimidação e violência. O governo não faz nada para ajudar com a recuperação dos cidadãos após a violência de 2008, e eles continuam vivendo com medo. Por outro lado, as milhares de queixas registradas contra os agressores não serviram para nada: os culpados pelo massacre ainda passeiam livres pelo Estado de Orissa''.

Essa é a acusação feita pelo presidente do grupo Global Council of Indian Christians, Sajan K. George, que tem acompanhado a situação dos cristãos perseguidos na Índia durante anos. O grupo, que integra católicos e protestantes, provê ajuda legal e material para a população afetada pela perseguição.

Falando para a mídia local, Sajan acrescentou: ''Precisamos de um sistema que ajude os fieis a retornarem à vida normal. Eles precisam de um emprego e uma casa, pois abriram mão do que tinham quando os moradores de 14 vilarejos foram forçados a fugir de suas casas, e agora moram em tendas. O governo deve interferir, para ver a justiça sendo feita''.

A violência começou no distrito de Kandhamal no verão de 2008, resultando em tragédias entre os clérigos e os fiéis. A falsa acusação de proselitismo foi usada para destruir igrejas e escolas administradas por cristãos, que foram forçados pela comunidade hindu a sair de sua terra natal e a buscar refúgio em outro lugar.

Durante o confronto, 5.347 casas foram destruídas e 75 pessoas morreram em nome da religião ou raça. Mais de 50.000 pessoas foram forçadas a migrar, se tornando refugiados em sua própria terra. Logo após os conflitos, as vítimas registraram 3.232 queixas em diferentes delegacias do distrito. Delas, somente 832 foram aceitas: 89 pessoas foram condenadas a pequenas sentenças, enquanto outras 251 foram liberadas de imediato.

veja também