Obama pede que Irã e Coreia do Norte libertem missionários

Obama pede que Irã e Coreia do Norte libertem missionários

Atualizado: Sexta-feira, 7 Fevereiro de 2014 as 11:54

Obama pede que Irã e Coreia do Norte libertem missionários Na última terça-feira, 04/02, o presidente nortea-americano Barack Obama se pronunciou a respeito pastores / missionários presos em países onde a perseguição religiosa tem assolado cristãos.
 
Em seu discurso, no evento anual "National Prayer Breakfast", em Washington DC, Obama falou sobre o perigo que cristãos têm vivido em países como Coreia do Norte e Irã, além de pedir pela libertação de missionários, como Kenneth Bae e Pr. Saeed Abedini.
 
Bae trabalhava como guia turístico na Coreia do Norte, tendo levado já 15 grupos de norte-americano ao país asiático. Porém em novembro de 2012, foi preso, sob acusação de "atos hostis" contra o Estado e condenado a 15 anos de trabalhos forçados.
 
O presidente norte-americano também pediu o Irã liberte o pastor Saeed Abedini. O líder cristão está detido em um das prisões mais perigosas do Irã. 
 
Abedini é um ex-muçulmano nascido no Irã, porém quando se converteu ao cristianismo (em 2000), passou a sofrer discriminação por parte de autoridades islâmicas. Apesar disso, ele e sua esposa tornaram-se bem ativos nas igrejas cristãs iranianas - que se reúnem em encontros não-oficiais, devido à perseguição.
 
Com a eleição de Mahmoud Ahmadinejad em 2005, o governo começou a reprimir ainda mais este movimento. Abedini e sua família tiveram que se mudar para os Estados Unidos .
 
Em uma visita anterior ao Irã, Abedini havia sido detido pelas autoridades iranianas e liberado somente depois de assinar uma declaração, dizendo que concordava em interromper as atividades da igreja doméstica no país.
 
No entanto, em uma visita feita em 2012 ele foi formalmente preso, sob a acusação de atentar contra a segurança nacional e condenado a oito anos de prisão.
 
Obama disse que os EUA continuam a representar os direitos de todas as pessoas ao redor do mundo para a prática de sua fé "em paz e liberdade".
 
"Como vamos construir o futuro que queremos, não podemos nunca nos esquecer daqueles que são perseguidos hoje, entre eles os americanos de fé", disse.
 
Ao citar os nomes de Keneth Bae, Obama destacou que ambos merecem a liberdade e que o governo norte-americano continuará a fazer o que estiver ao seu alcance para resgata-lo.
 
"Oramos por Kenneth Bae, um missionário cristão que está detido na Coreia do Norte há 15 meses e condenado a 15 anos de trabalhos forçados. Sua família quer que ele volte para casa. E os Estados Unidos continuarão a fazer tudo ao nosso alcance para garantir a sua libertação porque Kenneth Bae merece ser livre", disse.
 
Já falando sobre a situação de Abedini, o presidnte lembrou que este não é o primeiro apelo por ele feito para que o pastor seja libertado.
 
"Oramos por Pastor Saeed Abedini . Ele foi realizado no Irã há mais de 18 meses, condenado a oito anos de prisão por acusações relacionadas a suas crenças cristãs . E à medida que continuamos a trabalhar para a sua liberdade , hoje , mais uma vez , apelamos o governo iraniano a libertar o pastor Abedini para que ele possa retornar aos braços amorosos de sua esposa e filhos em Idaho ", reforçou.
 
A declaração de Obama veio poucos dias depois da conversa entre o reverendo Patrick J Mahoney - da Coalizão de Defesa Cristã - e secretário de imprensa da Casa Branca Jay Carney sobre situação de Abedini.
 
Para o Rev. Rob Schenck, da Igreja Evangélica Aliança, o discurso de Obama apresenta um progresso na negociação da liberdade dos missionários.
 
"Este é o avanço pelo qual muitos têm esperado, orado e trabalhado por tanto tempo. Esta solicitação feita pelo presidente precisava acontecer. Estamos imensamente aliviados ao ouvir isso e agradeço ao Presidente por assumir o risco de dizer isso publicamente", declarou. 
 
Missão Portas Abertas
O presidente e chefe-executivo da Missão Portas Abertas, Dr. David Curry também expressou o seu entusiasmo ao saber do pronunciamento de Obama.
 
"Com o número de cristãos martirizados quase dobrando no ano passado - de 1.201 para 2.123, de acordo com pesquisadores da Portas Abertas - já passou da hora de haver um novo foco no Departamento de Estado e de todo o nosso governo a apoiar o valor da liberdade religiosa no mundo e no nosso próprio país", disse.
 
Com informações do Christian Today
 
*Tradução por João Neto

veja também