Oficiais interrompem estudo bíblico e prendem seis cristãos na China

As autoridades detiveram o pregador An Yankui e outros cinco cristãos que participavam do estudo bíblico.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Segunda-feira, 4 Janeiro de 2021 as 9:23

Uma igreja é vista ao lado de uma fazenda de lavatório na vila de Gutong, no município de Sansha, no condado de Xiapu, na província de Fujian, China. (Foto: Getty Images/China Photos)
Uma igreja é vista ao lado de uma fazenda de lavatório na vila de Gutong, no município de Sansha, no condado de Xiapu, na província de Fujian, China. (Foto: Getty Images/China Photos)

Autoridades da cidade chinesa de Taiyuan invadiram uma igreja doméstica, confiscaram livros cristãos e detiveram o pregador e cinco membros durante um estudo bíblico, segundo um relatório.

Quase 40 autoridades foram à casa de An Yankui, que lidera a Igreja de Xuncheng, na capital da província de Shanxi, na noite de quarta-feira, cerca de um mês e meio após uma operação isolada em sua casa, de acordo com a agência de combate à perseguição, International Christian Concern.

As autoridades cercaram os membros da igreja, que estavam estudando a Bíblia, confiscaram as vestes e livros do coro e prenderam o pregador e cinco mulheres, segundo informou o International Christian Concern (ICC).

Os oficiais não detiveram a esposa de An, Yao Conya, porque ela precisava cuidar de seus filhos.

Os oficiais libertaram as cinco detidas por volta da meia-noite da véspera do Ano Novo, mas An permanecerá detido por 15 dias.

Mesmo sofrendo intensa perseguição, a Igreja Early Rain Covenant em Chengdu plantou a Igreja de Xuncheng.

A cidade de Xuncheng, que está sendo visada possivelmente devido à sua associação com o ERCC, foi invadida anteriormente em 15 de novembro e recebeu um aviso de dissolução da polícia.

Contexto

A China tem mais de 60 milhões de cristãos e pelo menos metade deles cultuam em igrejas clandestinas não registradas ou “ilegais”. A China é classificada como um dos piores países do mundo, no que diz respeito à perseguição aos cristãos, de acordo com a lista da Portas Abertas para 2020.

Gina Goh, gerente regional do ICC para o Sudeste Asiático, disse anteriormente que, em um momento em que a religião na China tem que se submeter ao controle do Partido Comunista Chinês e do Presidente Xi Jinping“, não é mais uma surpresa que uma igreja doméstica seja vista como um inimigo do estado e reprimido”.

“A cegueira da China em relação à violação da liberdade religiosa precisa ser continuamente exposta para que Pequim saiba que não pode se safar cometendo esses atos malignos”, disse Goh.

veja também