Ong MAE e SRP farão coleta e seleção de resíduos gerados na ExpoLondrina 2011

Ong MAE e SRP farão coleta e seleção de resíduos gerados na ExpoLondrina 2011

Atualizado: Sexta-feira, 15 Abril de 2011 as 3:15

A Sociedade Rural do Paraná (SRP) e a Ong Meio Ambiente Equilibrado (MAE) estão testando um projeto piloto de seleção de resíduos na fonte de geração, durante a realização da 51ª ExpoLondrina 2011. O objetivo é enterrar a menor quantidade de lixo possível e dar a destinação adequadaDesde a montagem dos estandes antes da feira, a ong MAE já estava monitorando os diferentes resíduos gerados, como alimentos, recicláveis, rejeitos, materiais de construção civil e muito esterco de animais. Para se ter uma ideia, faltando ainda três dias para a finalização da feira, já foram produzidas oito toneladas de latinhas de alumínio e duas de papel e papelão.

O projeto piloto se chama "Resíduo 100% Separado" e tem como objetivo fazer a destinação adequada com separação de recicláveis, rejeitos e orgânicos. Uma pesquisa da Ong MAE entre os expositores presentes revela que nenhuma feira agropecuária do país faz tratamento de resíduos.

"É uma cidade instantânea, instalada durante 11 dias, e que tem todos os problemas que as cidades também tem em relação ao tratamento de lixo", diz Eduardo Panachão, presidente da Ong MAE, e coordenador do projeto, sobre a ExpoLondrina 2011. Até o momento, os 24 maiores geradores participam da iniciativa. Em uma noite de ação com os restaurantes, por exemplo, nesta quinta-feira (14), a coleta de restos de comida gerou 527,8 kilos que não serão mais enterrados e abastecerão 21 hortas comunitárias de Cambé.

O trabalho é dividido em três frentes. Na primeira, com suporte da ong MAE, a Coopersil atua com 40 trabalhadores na coleta seletiva, para que o lixo possa ser vendido, gerando ao renda, ao invés de ser enterrado.

Em outra frente, a de orgânicos, os 24 maiores geradores identificados no monitoramento, em sua maioria restaurantes, foram convidados a separar restos de alimentos e sobras de verduras, hortaliças e frutas para envio às hortas de Cambé, onde o material se tornará compostagem para adubação.

Na frente dos rejeitos sem aproveitamento – formado pelo lixo varrido pela limpeza das ruas -, o material será remetido para o único aterro privado de Londrina.

veja também