ONG Repórteres sem fronteiras pede mais proteção às jornalistas

ONG Repórteres sem fronteiras pede mais proteção às jornalistas

Atualizado: Quinta-feira, 10 Março de 2011 as 2:46

Na última terça-feira (08), Dia Internacional da Mulher, a ONG Repórteres sem Fronteiras publicou um documento relatando os principais desafios enfrentados pelas mulheres no meio jornalístico. Entre os principais problemas apontados, estão a desigualdade nas redações e a violência, como o abuso sexual à repórter Lara Logan, da rede estadunidense CBS, ocorrido no Egito.

O documento, intitulado "A imprensa: um território de homens que é perigoso para as mulheres", lembra que elas ocupam cargos mais baixos em empresas de comunicação e que são excluídas da direção de veículos.

Segundo a RSF, essa desigualdade ocorre porque apesar da mulher ter sido incorporada ao trabalho jornalístico nos últimos 20 anos em muitos países, elas entraram na área em cargos mais baixos. Isso faria com que os meios de comunicação criassem uma visão tendenciosa e retratassem "um mundo ainda amplamente masculino em que as mulheres estão excluídas".

A ONG destaca também que as mulheres representam menos de 20% das pessoas citadas em reportagens em 70 países e que elas seriam retratadas de forma "padronizada e desvalorizada".

A RSF reforça a necessidade de criação de programas de proteção às jornalistas

e treinamento para as repórteres, principalmente para coberturas realizadas em regiões onde a mulher é mais vulnerável.

veja também