Paquistão não é lugar seguro para minorias, incluindo cristãos, viverem

Especialista diz que o país se tornou um 'Estado muito perturbador'

Fonte: guiame.com.brAtualizado: quinta-feira, 18 de setembro de 2014 12:12
Paquistão
Paquistão

PaquistãoEm palestra na Columbua, uma especialista declarou que o Paquistão é um país em que minorias não vivem seguras, incluindo os cristãos.

'Estado muito perturbado' é o que se tornou o Paquistão de hoje, contradizendo os sonhos do fundador Muhammad Ali Jinnah.

O professor emérito da Universidade, Ainslie Embree, editor-chefe da Enciclopédia de História da Ásia (1989), observou que o Paquistão tornou-se o Estado que Jinnah nunca quis quando o fundou.

Em agosto de 1947, durante a primeira assembleia constituinte, Jinnah afirmou que o Estado não tinha nada a ver com a religião dos cidadãos, mas, ao contrário do que pensava, hoje as minorias não vivem seguras lá.

Nos últimos 30 anos, o que se é dito sobre o Paquistão é que o Estado está “à beira do desastre”, disse Embree. Uma colaboradora da Portas Abertas na região afirmou: “Todos os dias agradeço a Deus por todos os irmãos que estão orando por nós. Nós somos muito abençoados por ter nossa família em Cristo intercedendo por este país”.


com informações da Portas Abertas

 

 

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições