Parceiros comentam seu envolvimento como voluntários nas Trans

Parceiros comentam seu envolvimento como voluntários nas Trans

Atualizado: Sexta-feira, 13 Maio de 2011 as 11:49

Envolvidos com a obra missionária, parceiros do PAM Brasil vão além de simplesmente contribuir financeiramente para a expansão do Reino de Deus em nossa nação. Eles têm deixado os impedimentos de lado e saído aos campos para anunciar a mensagem de salvação por meio das mobilizações missionárias Jesus Transforma.

Na última Trans no Rio Grande do Sul, em janeiro passado, a irmã Eulinda Novais deixou o Acre, onde é membro da Igreja Batista da Vila Ivonete, em Rio Branco, para anunciar a mensagem de salvação aos gaúchos, mais especificamente na cidade de Venâncio Aires. Durante uma Escola Bíblica de Férias, vestida de palhaço, viu as portas, antes fechadas, começarem a se abrir. Aproveitou a oportunidade para falar de Jesus por meio da alegria de um palhaço. “Percebi que o povo evangélico realmente tem que usar da criatividade para ganhar almas”.

A irmã Eulinda afirmou que, além da resistência ao Evangelho inicialmente encontrada, durante o período das Trans recebeu notícias do falecimento de quatro pessoas de sua família. “Meu telefone só tocava para dar notícias ruins. O inimigo queria de qualquer forma tirar a minha paz. Mas ele não conseguiu, porque a alegria do Senhor é a minha força”.

Fabiano Coelho, da Igreja Batista em Parque Flora, de Nova Iguaçu (RJ), é outro parceiro do PAM Brasil que tem participado de projetos de Missões Nacionais. Em 2009 participou da Trans Santa Catarina e da Tenda da Esperança, em Belém do Pará. No ano passado não pôde participar em função de seu trabalho, e em 2011 foi surpreendido pela boa notícia de que haveria a Trans no Rio Grande do Sul em janeiro, mês de suas férias. “Foi só dizer ‘sim’ ao chamado de Deus”, informando que também para a Trans 2012, no Rio Grande do Sul, seu coração já disse sim.

Jacy Maria Nogueira, membro da Primeira Igreja Batista de Mauá (SP), é professora da rede pública de ensino, dirige uma frente missionária junto com seu esposo e há algum tempo desejava participar da Trans, mas alguma razão sempre a impedia. “Sempre muito ocupada, quando chegavam as férias tudo o que queria era descansar”, afirmou.

Neste ano, finalmente se inscreveu, “sem saber como seria ou o que eu faria em uma Trans”. Ela foi designada para a equipe de Santo Antônio da Patrulha, composta por mais 11 irmãos de diversos lugares. “Que experiência! Acordar cedo, devocional com a equipe, sair às ruas de Santo Antônio pela manhã e à tarde pregando a Palavra de Deus de casa em casa, com estudos bíblicos nos lares e até pregando no culto no sábado à noite”, compartilhou.

Ao final do projeto afirmou que aquelas foram férias em que cansou o corpo, mas nas quais dormiu como “um bebê”, refez suas forças e foi renovada espiritualmente: “Como jamais pude pensar em fazer em férias. Voltei à Mauá querendo contagiar a todos com a paixão pelas almas, que veio fervilhando. Que Deus continue abençoando Missões Nacionais, alcançando mais voluntários a cada ano para o serviço de plantar e revitalizar igrejas, para a glória de Deus”.

Seja um divulgador da Trans

No site de Missões Nacionais há vasto material promocional das Trans de julho. Ao acessar http://migre.me/4s4cc  você encontrará notas prontas para divulgar a mobilização no boletim de sua igreja, spots para rádio (específicos para cada mobilização), além de banner para uso em sites das igrejas e vídeo promocional que você também poderá passar em sua igreja, em um momento apropriado. Ajude-nos a alcançar os 5 mil voluntários para alvoroçar nosso Brasil com a mensagem de esperança e salvação!

Por Marize Gomes Garcia

veja também