Partido Comunista contrata bandidos para impedir cristãos de irem à igreja, na China

Um grupo de bandidos bloqueou a entrada de uma igreja e colocou cadeados nas portas, a mando de autoridades ligadas ao governo local.

Fonte: Guiame, com informações do God ReportsAtualizado: segunda-feira, 16 de julho de 2018 15:04
Cristão ora durante culto na China. (Foto: Foreign Policy)
Cristão ora durante culto na China. (Foto: Foreign Policy)

A organização de apoio à Igreja perseguida "International Christian Concern" (ICC) foi informada que no dia 5 de julho, a Igreja de Sião – maior denominação cristã doméstica em Pequim – foi interditada por um grupo de bandidos, contratados pelas autoridades locais do Partido Comunista. O grupo impediu que os membros da igreja entrassem no terceiro andar do prédio, onde a congregação funciona, e lançou insultos e ameaças aos cristãos, chamando o evangelho de "seita".

Em um pedido de oração a outros cristãos, compartilhado via WeChat (um popular aplicativo de mensagens chinês) em 8 de julho, os membros da igreja detalharam a contínua opressão do governo contra eles.

Seis bandidos bloquearam a entrada do prédio e impediram os membros da igreja de tentar destrancar os cadeados colocados sob ordem do governo governo nas portas do salão usado para os cultos. Eles também impediram o administrador da igreja de entrar na igreja para recuperar os computadores e documentos da igreja.

A igreja pagou recentemente o aluguel do local por mais um trimestre, com o contrato de aluguel para renovação em 2020, mas os fiéis foram impedidos de entrar para realizar o culto.

Frequentada por mais de 1.500 cristãos, com oito congregações em toda a cidade de Pequim, a Igreja de Sião tornou-se recentemente um dos principais alvos do governo chinês. Seu templo de Yizhuang – maior igreja doméstica em Pequim – foi a motivação para o bloqueio.

Em abril, autoridades em Pequim solicitaram que a igreja instalasse câmeras de vigilância dentro de seu prédio. Depois que os líderes da igreja se recusaram, o governo cortou a água da igreja e desligou a eletricidade do elevador. O governo também pressionou o proprietário da igreja a não renovar seu contrato.

Suborno

Desde maio de 2018, muitos membros da Igreja de Sião foram abordados por autoridades residenciais e comunitárias, que tentaram subornar os fiéis, oferecendo soluções para questões trabalhistas, benefícios financeiros e melhor educação para seus filhos caso decidissem deixar a igreja. Aqueles que se recusaram foram postos sob vigilância.

De acordo com a 'China Aid', a conta pública da igreja no aplicato 'WeChat' foi bloqueada em 12 de junho, e todos os seus vídeos de sermão, compartilhados em outros sites cristãos foram excluídos.

Um cristão em Pequim, familiarizado com a situação compartilhada com a ICC de que a concessão do prédio principal da Igreja de Sião está pronto para ser renovado em meados de agosto. Dada a intensificação da repressão contra a igreja, o caso é um exemplo claro do que acontecerá com a igreja a seguir. As autoridades de Pequim pretendem intimidar outras igrejas domésticas, usando a Igreja de Sião como exemplo.

Gina Goh, Gerente Regional da ICC, disse: “A mais recente repressão contra as igrejas domésticas na China é um reflexo do desrespeito do Presidente Xi à liberdade religiosa. A China está passando pela pior perseguição cristã desde a Revolução Cultural de Mao Zedong. Os EUA e a comunidade internacional não devem ignorar as injustiças cometidas contra os cristãos chineses. Vamos continuar a orar por força e sabedoria para a Igreja na China enquanto os cristãos navegam através da intensificação da opressão”.

Siga-nos

Mais do Guiame