Pastor é assassinado em cativeiro após resgate ser pago na Nigéria

O pastor Dauda Bature foi sequestrado por radicais fulani no estado de Kaduna e estava em cativeiro há um mês.

Fonte: Guiame, com informações de Internacional Christian Concern e Morning Star NewsAtualizado: terça-feira, 14 de dezembro de 2021 19:28
Reverendo Dauda Bature. (Foto: Reprodução/Facebook).
Reverendo Dauda Bature. (Foto: Reprodução/Facebook).

Em mais um caso de perseguição brutal, um pastor foi assassinado por extremistas Fulani após um mês em cativeiro, no estado de Kaduna, na Nigéria. 

O Reverendo Dauda Bature, pastor da Igreja Evangélica Winning All, foi sequestrado por radicais fulanis em sua fazenda no dia 8 de novembro, de acordo com Joseph John Hayab, presidente da Associação Cristã da Nigéria (CAN).

Os sequestradores exigiram o pagamento do resgate. A esposa de Batura arrecadou o valor e ela mesma entregou aos criminosos. “Quando algum valor foi levantado, eles pediram à esposa que trouxesse o dinheiro, que ela levou para eles no dia 18 de novembro”, disse uma fonte não identificada ao Nigerian Daily Post. 

“Eles recolheram o dinheiro e a sequestraram. Os sequestradores a mantiveram até o dia 6 de dezembro e a liberaram para ir em busca de mais dinheiro”. Dias depois, os criminosos decidiram matar o pastor.

Segundo o Morning Star News, a esposa de Bature relatou que o marido pregou o Evangelho aos fulanis e orou para que se arrependessem, os enfurecendo e provavelmente contribuindo para a decisão de matá-lo. 

A Nigéria está em 9º lugar na lista da Portas Abertas 2021 onde os cristãos enfrentam a perseguição mais severa. Segundo a Sociedade Internacional para as Liberdades Civis e o Estado de Direito (Intersociedade), estima que 4.400 cristãos foram mortos nos primeiros 270 dias de 2021, na Nigéria. 

O relatório afirma que radicais Fulani foram responsáveis ​​pela morte de nada menos que 2.540 cristãos nos primeiros nove meses de 2021. A organização também afirma que pelo menos 20 líderes religiosos foram mortos ou sequestrados durante esse período.

Ameaças de ataque no fim de ano

No início deste mês, as igrejas no estado de Zamfara, no norte da Nigéria, receberam cartas de ameaça, exigindo que interrompam suas atividades, sob o risco de sofrerem ataques “ferozes”. A carta identificou igrejas específicas em uma lista para ataque entre agora e o final de dezembro.

As ameaças acontecem duas semanas após a remoção da Nigéria pelo governo Biden da lista de “Países de Preocupação Particular (PCC)” em perseguição religiosa.

Um dia antes da Nigéria ser retirada da lista, Joseph Hayab, presidente da Associação Cristã da Nigéria, se encontrou com o secretário de estado dos Estados Unidos Antony Blinken e manifestou sua preocupação com a atitude do governo americano.

“Quando me encontrei com Antony John Blinke expressei como os cristãos na Nigéria ficaram desapontados com a exclusão da Nigéria pelos EUA da lista do PCC. O que eu disse a Blinken foi que, como a Nigéria ainda tem graves problemas com a perseguição religiosa, sua ação foi como a de um médico dando alta a um paciente do hospital, embora o paciente esteja gravemente doente. O que isso significa é dizer ao paciente para ir para casa e morrer”, relatou Hayab. 

 

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições