Pastor é condenado a três anos de prisão

Pastor é condenado a três anos de prisão

Atualizado: Quarta-feira, 15 Dezembro de 2010 as 8:44

O Supremo Tribunal do Butão condenou o cristão Ugyen Tashi a a três anos de prisão por "tentativa de promover agitações civis" para mostrar um filme sobre Jesus.

Em 21 de maio, trazendo um gerador e um projetor, Ugyen andou por dois dias em aldeias do interior do Butão com um único propósito: dar às pessoas uma chance de aprender sobre Jesus.

Mas quando um dos chefes da aldeia soube do conteúdo do filme, informou o chefe do seu distrito, que então chamou a polícia para prender Ugyen.

As investigações e questionamentos

O dia seguinte à prisão foi um turbilhão de investigações, interrogatórios, as delacarções declarações policiais e espera.

Enquanto a polícia investigava o caso, o pastor Ugyen foi mantido em um pequeno quarto escuro, cheio de mosquito, juntamente com três outros detentos.

Em 14 de junho, a polícia tentou procurar a casa do pastor, mas não entraram porque a casa estava trancada.

Na necessidade de obter mais informações, a polícia enviou uma equipe para as aldeias onde Ugyen mostrou o filme Jesus para investigar novamente e concluir se as pessoas foram convertidos através da exibição do filme.

A polícia convocou os chefes da aldeia e outras pessoas presentes na exibição do filme e fez uma série de perguntas sobre o que aconteceu na noite da prisão de Ugyen. Tanto os cristãos e não-cristãos apresentaram declarações para o caso de Ugyen.

Esperando pacientemente

O caso do cristão finalmente foi ao tribunal do distrito que ele esperou pacientemente em sua cela, onde continuou a compartilhar as Boas Novas com seus companheiros. Ao mesmo tempo ele resistiu às duras condições de vida, o que agravou a asma.

"O pastor Ugyen disse que não está ocioso, e embora ele não seja capaz de compartilhar abertamente, ele está fazendo o melhor de cada oportunidade que tem para compartilhar as Boas Novas de Jesus", declarou um correspondente de campo da Gospel for Asia (GFA, sigla em inglês). "Há poucos presos que estão interessados."

Quando os líderes da GFA foram visitar a prisão, Ugyen pediu Novos Testamentos para distribuir aos presos e encorajou os seus visitantes a não se preocuparem com ele.

O processo judicial

Em 22 de julho, dois meses depois da prisão de Ugyen, ele foi levado a tribunal para a primeira fase da sua audição depois de adiamentos e cancelamentos de vários.

Ugyen foi convidado a escrever uma declaração ao tribunal, mas sua primeira declaração foi considerada insuficiente. Nove vezes Ugyen reescreveu sua declaração, pagando R $ 2,50 cada.

Em 17 de agosto, o órgão apresentou todas as declarações de Ugyen na presença dos agentes e pediu a ele exibir a tela do polêmico filme sobre a vida de Jesus perante o tribunal no dia seguinte. Ainda foi relatado que oficiais de justiça queriam assistir todos os filmes antes que um veredito final fosse pronunciado, mas o filme nunca foi exibido.

O Tribunal de Justiça do Butão declarou Ugyen culpado e condenou-o a três anos de prisão.

Tradução: Carla Priscilla Silva

veja também