Pastor é espancado durante 1 hora por se recusar a pagar rituais tribais, na Índia

A Índia está em 10º lugar na lista de países onde é mais difícil ser cristão, segundo a organização de apoio cristão Portas Abertas 2021.

fonte: Guiame, com informações do Morning Star News

Atualizado: Terça-feira, 9 Março de 2021 as 10:33

Aldeões em ritual de adoração tribal na árvore sarna. (Foto: Reprodução / Gurpreet Singh Ranchi)
Aldeões em ritual de adoração tribal na árvore sarna. (Foto: Reprodução / Gurpreet Singh Ranchi)

Autoridades locais e animistas tribais amarraram e espancaram o pastor Lakshman Oraon por mais de uma hora por ter se recusado a ajudar a pagar rituais tribais, em uma vila no leste da Índia.

“Eu não gritei ou chorei diante deles”, disse o Pr. Oraon ao Morning Star News. “Eu estava orando, louvando ao Senhor, lembrando de Seu sacrifício por mim na cruz”.

Os anciãos da vila de Jungur, distrito de Latehar no estado de Jharkhand, convocaram o pastor e outros cristãos locais no final de janeiro para exigir que ajudassem a financiar o culto ritual de divindades tribais. Quando ele se recusou, os homens amarraram suas mãos atrás das costas, jogaram o pastor no chão e bateram em suas costas, cabeça e rosto.

“Quando eles me amarraram e começaram a me chutar, eu não fiquei com raiva. O Senhor me lembrou dos versículos de Mateus 5: 11-12”, disse o Pr. Oraon, recitando em hindi a declaração de Cristo de que os seguidores são abençoados quando outros os insultam e perseguem, e que eles se regozijam. “Recebi grande força com essas palavras. Havia um sorriso no meu rosto o tempo todo”, declarou.

Adoração a divindades

O pastor contou que quando ele e outros cristãos da aldeia foram convocados, os anciãos insistiram que contribuíssem com dinheiro para o ritual de adoração de divindades tribais. Ele disse que já havia explicado em encontros anteriores que os cristãos não podiam contribuir para a adoração de suas divindades.

“Então eles se viraram para mim com raiva e perguntaram ‘Por que você não vai dar dinheiro?’. E começaram a me ofender com linguagem suja”, relatou o pastor. “Eu perguntei: Por que eu daria dinheiro? Quando eu não acredito nos rituais ou nas divindades, por que daríamos dinheiro para sua adoração puja? É dinheiro ganho com dificuldade e não o gastamos em rituais em que não acreditamos. E também, como isso faz alguma diferença, já que também não estou participando de nenhum dos rituais?”.

Quando ele explicou a eles que, como cristãos, estavam livres de tais obrigações, os homens responderam que seus ancestrais eram sacerdotes tribais e que ele era um ingrato inútil que adotou uma fé estrangeira e precisava aprender uma lição. O pastor disse que os homens ameaçaram expulsar todos os cristãos da aldeia.

Amarrando suas mãos atrás das costas, os líderes da aldeia chutaram o pastor e o jogaram ao chão diante da multidão de cerca de 80 seguidores de divindades tribais.

“Uma multidão me cercou e, um após o outro, eles se revezaram para me chutar nas costas, na cabeça e socar meu rosto”, disse o pastor Oraon ao Morning Star News.

“Os espancamentos continuaram por mais de uma hora. Eles trancaram as instalações do conselho da aldeia, ameaçando os cristãos de que se tirassem qualquer foto ou vídeo, tentassem se aventurar fora do local ou tentassem entrar em contato com a polícia, os telefones seriam apreendidos e as pessoas também teriam o mesmo destino”, relatou.

“Eles nos disseram que, um após o outro, não iriam espancar até a morte”, disse o pastor, que pediu aos membros da igreja para manterem a calma e se absterem de discussões que pudessem agitar ainda mais a multidão.

“Depois que um dos anciãos da aldeia pediu à turba para me soltar, eles nos deixaram ir para nossas casas”, contou.

Resposta Policial

Enfrentando a expulsão da aldeia, os cristãos receberam informações sobre recursos legais do coordenador de Jharkhand da Alliance Defending Freedom India.

“Enviamos petições ao Station House Officer (SHO) da delegacia de polícia de Manika, ao superintendente da polícia e também ao cobrador do distrito”, disse o pastor Oraon. “O SHO chamou ambas as partes para a delegacia e comprometeu-se que não abriríamos nenhum processo contra eles, e que eles não nos expulsariam da aldeia.”

Na delegacia, os líderes tribais continuaram exigindo dinheiro para os rituais, e o SHO disse aos cristãos para pagár, pensando que isso resolveria o assunto, disse o pastor Oraon.

“Na delegacia de polícia, pediram que entregássemos o dinheiro e nós demos”, disse ele. “Estamos orando pela salvação dos líderes das aldeias e dos devotos das divindades tribais. A polícia nos garantiu que eles estarão à distância de um telefonema se houver algum problema, e que não enfrentaremos quaisquer problemas dos moradores depois de darmos o dinheiro.”

Questionado sobre o assédio aos cristãos na aldeia de Jungur, a delegacia de polícia SHO de Manika inicialmente negou o ataque da multidão, dizendo que "nenhum incidente ocorreu". Mais tarde, eles solicitaram 30 minutos para coletar o último relatório para responder ao Morning Star News, mas permaneceram indisponíveis depois disso.

Vida transformada com Cristo

O pastor Oraon disse que cresceu vendo membros de sua família sendo levado cativos por espíritos malignos.

“Houve raiva, violência e lágrimas”, disse ele. “Para nos livrarmos de um tipo de espírito maligno, realizamos pujas, que novamente resultariam em trazer muitos outros espíritos malignos para casa. Comecei a recitar os feitiços e a realizar rituais, mas eles não estavam resolvendo nossos problemas - um após o outro começou a adoecer e estava morrendo. E a perda de membros da família nos deixou profundamente deprimidos.”

Em 2011, um cristão falou-lhe sobre Cristo, e Oraon imediatamente colocou sua fé em Jesus, assim como sua esposa, com quem estava recém-casado.

“Desde então, os vizinhos começaram a notar a transformação em nossas vidas - estávamos livres de todos os espíritos malignos”, disse o pastor Oraon. “Íamos à Igreja em família e cantávamos alegremente em casa. Isso era algo novo para as pessoas que nos conheciam. Eles nos pediram para compartilhar o Evangelho com eles, e hoje temos pelo menos 35 membros reunidos para adoração aos domingos em nossa igreja local.”

O tom hostil do governo da Aliança Democrática Nacional, liderado pelo partido nacionalista hindu Bharatiya Janata, contra não hindus, encorajou extremistas hindus em várias partes do país a atacar os cristãos desde que o primeiro-ministro Narendra Modi assumiu o poder em maio de 2014, dizem advogados de direitos religiosos.

A Índia ficou em 10º lugar na lista de países onde é mais difícil ser cristão, como era em 2020, da organização de apoio cristão Portas Abertas 2021. O país estava em 31º lugar em 2013, mas sua posição piorou depois que Modi chegou ao poder.

veja também